Não te esqueças de que a solução para o problema que te angustia, está a caminho.

Nos tribunais da Divina Justiça, nenhum processo fica parado.

A tua petição, depois de examinada, será deferida de acordo com os teus méritos.

Não te aflijas, antecipando-te às providências que haverão de ser tomadas em favor de tua paz.

Nem agraves a tua situação, tornando inócuas, quando te alcancem, as deliberações em andamento.

Saber esperar é tão importante quanto saber agir.

Toda decisão precipitada acaba sendo uma solução pela metade para o problema que se pretende resolver.

A solução que demora a surgir ainda não encontrou, disponíveis, os elementos que a favoreçam.


Irmão José/Carlos A. Baccelli
livro "Vigiai e Orai"











Dez Maneiras de Amar a Nós Mesmos

1. Disciplinar os próprios impulsos.

2. Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

3. Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

4. Aceitar, sem revolta, a crítica e a reprovação.

5. Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

6. Evitar as conversações inúteis.

7. Receber no sofrimento o processo de nossa educação.

8. Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

9. Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10. Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos, sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.







Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO,
mesmo sabendo que as rosas não falam...

Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro
que nos espera pode não ser tão alegre...

Que eu não perca a VONTADE DE VIVER, mesmo sabendo que a vida é,em muitos momentos, dolorosa...


Que eu não perca a vontade de TER GRANDES AMIGOS,
mesmo sabendo que, com as voltas do mundo,
eles acabam indo embora de nossas vidas...

Que eu não perca a vontade de AJUDAR AS PESSOAS,
Mesmo sabendo que muitas delas são incapazes
de ver, reconhecer e retribuir, esta ajuda...

Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo
que inúmeras forças querem que eu caia...

Que eu não perca A VONTADE DE AMAR, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo pode não sentir o mesmo sentimento por mim...

Que eu não perca a LUZ E O BRILHO NO OLHAR, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo escurecerão os meus olhos...

Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda

São dois adversários extremamente perigosos...

Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo

que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas...

Que eu não perca o sentimento de JUSTIÇA, mesmo
sabendo que o prejudicado possa ser eu...

Que eu não perca o meu FORTE ABRAÇO, mesmo sabendo
que um dia os meus braços estarão fracos...

Que eu não perca a BELEZA E A ALEGRIA DE VIVER, mesmo sabendo

que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...

Que eu não perca o AMOR POR MINHA FAMÍLIA, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia...


Que eu não perca a vontade de DOAR ESTE ENORME AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado...

Que eu não perca a vontade de SER GRANDE, mesmo
sabendo que o mundo é pequeno...

E acima de tudo...

Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente!

Que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois...

A VIDA É CONSTRUÍDA NOS SONHOS

E CONCRETIZADA NO AMOR!






Desencanto

Também, Senhor, um dia, de alma ansiosa,
Num sonho todo amor, carícia e graça,
Quis encontrar a imagem cor-de-rosa
Da ventura que canta, sonha e passa.

E perquiri a estrada erma e escabrosa,
Perenemente sob a rude ameaça
Da amargura sem termos, angustiosa,
Entre os frios do pranto e da desgraça,

Até que um dia a dor, violentamente,
Fez nascer no meu cérebro demente
Os anelos de morte, cinza e nada.

E no inferno simbólico do Dante,
Vim reencontrar a lagrima triunfante,
Palpitando em minh’alma estraçalhada.


Autor: Hermes Fontes
(psicografia de Chico Xavier )

Estudos Doutrinários

domingo, 15 de janeiro de 2012

O Exercício da Paciência ...



Esta é a historia de um menino que tinha um mau temperamento. Seu pai lhe deu um saco de pregos e lhe disse que cada vez que perder a paciência, ele deveria pregar um prego atrás da porta.
No primeiro dia, o menino pregou 37 pregos atrás da porta. As semanas que seguiram, a medida que ele aprendia a controlar seu gênio, pregava cada vez menos pregos atrás da porta. Com o tempo descobriu que era mais fácil controlar seu gênio que pregar os pregos naquela madeira.
Então, chegou o tempo em que pode controlar seu caráter durante todo o dia.
Depois de informar a seu pai, este lhe sugeriu que retirasse um prego a cada dia que conseguisse controlar seu caráter. Os dias se passaram e o jovem pode finalmente, depois de muito tempo, anunciar a seu pai que não havia mais pregos atrás da porta.
Seu pai o pegou pela mão, o levou até a porta e lhe disse:
- Meu filho, vejo que tens trabalhado duro, mas veja todos estes buracos na porta. Ela nunca mais será a mesma.
Cada vez que tu perdes a paciência, deixa cicatrizes exatamente como as que vê aqui. Tu podes insultar alguém e retirar o insulto, mas dependendo da maneira como fala poderá ser devastador e a cicatriz ficará para sempre. Uma ofensa verbal pode ser tão danosa ou pior que uma ofensa física.



Reflexão

Já perceberam como é fácil perder a paciência? Ela se vai com tudo: as contas a pagar, a comida que não está de nosso agrado, com o filho sapeca, com a televisão que não tem uma boa programação, com as pessoas que não fazem o que queremos... enfim, tudo parece conspirar contra nossa paz interior.

Uma coisa que temos de prestar atenção também é que cada um de nós tem o direito de ficar aborrecido com algo ou alguém e nelas por a culpa, mas a responsabilidade pela conseqüência e o resultado desse aborrecimento só a nós pertence.

Em um momento de raiva podemos dizer coisas que não queríamos e ferir quem não desejamos, mas quando percebemos isso pode ser tarde demais. Para consertar os erros, a vida pode dar uma segunda chance, mas também pode decidir por não nos dar essa oportunidade.

Palavras uma vez proferidas não voltam atrás, e um simples “desculpa” não funciona como uma borracha apagando letras feitas a lápis em um papel. As palavras não voltam, mas os resultados dela sim, como um bumerangue que acertando ou não o alvo retorna com toda a força nos acertando em cheio, nos fazendo conhecer a dor de nossos próprios atos.

Perdendo a paciência, atrás de um ato que pode parecer bobagem, causamos mais mal a nós mesmos que aos outros, pois atrás de todo malefício clinico ainda enfrentamos as dores dos sentimentos ruins capazes de nos corroer o coração e os pensamentos.

Somos responsáveis por nós mesmos. Por mais complicada que seja uma situação, ela sempre apresenta no mínimo dois caminhos, e você escolhe qual deles deve seguir. E como já disseram certa vez: a paciência é uma semente amarga, cujos frutos são doces. Então, por mais difícil que possa parecer, plante-a e colha os resultados satisfatórios de seu esforço.

O Frio ...




Seis homens ficaram bloqueados numa caverna por uma avalanche de neve. Teriam que esperar até o amanhecer para poderem receber socorro. Cada um deles trazia um pouco de lenha e havia uma pequena fogueira ao redor da qual eles se aqueciam. Se o fogo apagasse - eles sabiam -, todos morreriam de frio antes que o dia clareasse. Chegou a hora de cada um colocar sua lenha na fogueira. Era a única maneira de poderem sobreviver.
O primeiro homem era um racista. Ele olhou demoradamente para os outros cinco e descobriu que um deles tinha a pele escura. Então ele raciocinou consigo mesmo:
- "Aquele negro! Jamais darei minha lenha para aquecer um negro". E guardou-a, protegendo-a dos olhares dos demais.
O segundo homem era um rico avarento. Ele estava ali porque esperava receber os juros de uma dívida. Olhou ao redor e viu no círculo em torno do fogo bruxuleante, um homem da montanha, que trazia sua pobreza no aspecto do semblante e nas roupas velhas e remendadas. Ele fez as contas do valor da sua lenha e enquanto mentalmente sonhava com o seu lucro, pensou:
- "Eu? Dar a minha lenha para aquecer um preguiçoso?" E reservou-a.
O terceiro homem era um negro. Seus olhos faiscavam de ira e ressentimento. Não havia qualquer sinal de perdão ou mesmo aquela superioridade moral que o sofrimento ensina. Seu pensamento era muito prático:
- "É bem provável que eu precise desta lenha para me defender. Além disso, eu jamais daria minha lenha para salvar àqueles que me oprimem". E guardou suas lenhas com cuidado.
O quarto homem era um pobre da montanha. Ele conhecia mais do que os outros os caminhos, os perigos e os segredos da neve. Ele pensou:
- "Esta nevasca pode durar vários dias. Vou guardar minha lenha."
O quinto homem parecia alheio a tudo. Era um sonhador. Olhando fixamente para as brasas. Nem lhe passou pela cabeça oferecer da lenha que carregava. Ele estava preocupado demais com suas próprias visões (ou alucinações?) para pensar em ser útil.
O último homem trazia, nos vincos da testa e nas palmas calosas das mãos, os sinais de uma vida de trabalho. Seu raciocínio era curto e rápido.
- "Esta lenha é minha. Custou o meu trabalho. Não darei a ninguém nem o menor dos meus gravetos".
Com estes pensamentos, os seis homens permaneceram imóveis. A última brasa da fogueira se cobriu de cinzas e finalmente se apagou. Ao alvorecer do dia, quando os homens do Socorro chegara à caverna, encontraram seis cadáveres congelados, cada qual segurando um feixe de lenha. Olhando para aquele triste quadro, o chefe da equipe de Socorro disse:
- "O frio que os matou não foi o de fora, mas o frio que veio de dentro".




REFLEXÃO

Assim como todos que estavam na caverna, todos nós somos de uma forma diferente, cada qual com seus pensamentos próprios, sentimentos, ideais, ressentimentos, medos, preconceitos e atitudes. Vivemos em uma sociedade onde não é evidenciado o amor e suas ramificações, mas tudo o que é contrário a ele e que todos os dias presenciamos em tempo real ou nos meios de comunicação.

A nossa história de hoje não demonstra apenas a falta de amor e solidariedade com o próximo, mas confirma que de muito não olharmos para o outro deixamos de olhar para nós mesmos. Apesar do egoísmo existir, o fato de pensar em apenas nós mesmos, é preferível nos privar de algo a ter que dividi-lo com alguém, e nenhuma dessas coisas encontramos nos mandamentos deixados por Deus para seus filhos, por Jesus para seus semelhantes.

A lei do amor é muito bonita, rezando sempre para um mundo mais igualitário onde os homens deveriam esquecer as diferenças e viver em paz com aqueles que estão em suas volta, ação esta que lhes dariam a própria paz. Mas por que será que esta lei é tão difícil de se realizar? Pelo egoísmo desenfreado, pela influência negativa do dinheiro e dos bens materiais, e por acharmos simplesmente que somos auto-suficientes?

Por mais que sejamos capazes, ninguém pode e consegue viver isolado dos seus semelhantes. O segredo para uma vida melhor e mais feliz é exatamente perceber isto antes que não se possa voltar atrás.

Como conta uma velha história, não devemos orar a Deus simplesmente pedindo que tenhamos o poder de mudar o outro, mas a capacidade de mudarmos nós mesmo, pois se assim cada um o fizesse sem dúvida estaríamos vivendo mais próximo daquele que deu tudo por nós: Jesus Cristo.

LinkWithin



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...