Não te esqueças de que a solução para o problema que te angustia, está a caminho.

Nos tribunais da Divina Justiça, nenhum processo fica parado.

A tua petição, depois de examinada, será deferida de acordo com os teus méritos.

Não te aflijas, antecipando-te às providências que haverão de ser tomadas em favor de tua paz.

Nem agraves a tua situação, tornando inócuas, quando te alcancem, as deliberações em andamento.

Saber esperar é tão importante quanto saber agir.

Toda decisão precipitada acaba sendo uma solução pela metade para o problema que se pretende resolver.

A solução que demora a surgir ainda não encontrou, disponíveis, os elementos que a favoreçam.


Irmão José/Carlos A. Baccelli
livro "Vigiai e Orai"











Dez Maneiras de Amar a Nós Mesmos

1. Disciplinar os próprios impulsos.

2. Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

3. Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

4. Aceitar, sem revolta, a crítica e a reprovação.

5. Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

6. Evitar as conversações inúteis.

7. Receber no sofrimento o processo de nossa educação.

8. Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

9. Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10. Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos, sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.







Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO,
mesmo sabendo que as rosas não falam...

Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro
que nos espera pode não ser tão alegre...

Que eu não perca a VONTADE DE VIVER, mesmo sabendo que a vida é,em muitos momentos, dolorosa...


Que eu não perca a vontade de TER GRANDES AMIGOS,
mesmo sabendo que, com as voltas do mundo,
eles acabam indo embora de nossas vidas...

Que eu não perca a vontade de AJUDAR AS PESSOAS,
Mesmo sabendo que muitas delas são incapazes
de ver, reconhecer e retribuir, esta ajuda...

Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo
que inúmeras forças querem que eu caia...

Que eu não perca A VONTADE DE AMAR, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo pode não sentir o mesmo sentimento por mim...

Que eu não perca a LUZ E O BRILHO NO OLHAR, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo escurecerão os meus olhos...

Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda

São dois adversários extremamente perigosos...

Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo

que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas...

Que eu não perca o sentimento de JUSTIÇA, mesmo
sabendo que o prejudicado possa ser eu...

Que eu não perca o meu FORTE ABRAÇO, mesmo sabendo
que um dia os meus braços estarão fracos...

Que eu não perca a BELEZA E A ALEGRIA DE VIVER, mesmo sabendo

que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...

Que eu não perca o AMOR POR MINHA FAMÍLIA, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia...


Que eu não perca a vontade de DOAR ESTE ENORME AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado...

Que eu não perca a vontade de SER GRANDE, mesmo
sabendo que o mundo é pequeno...

E acima de tudo...

Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente!

Que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois...

A VIDA É CONSTRUÍDA NOS SONHOS

E CONCRETIZADA NO AMOR!






Desencanto

Também, Senhor, um dia, de alma ansiosa,
Num sonho todo amor, carícia e graça,
Quis encontrar a imagem cor-de-rosa
Da ventura que canta, sonha e passa.

E perquiri a estrada erma e escabrosa,
Perenemente sob a rude ameaça
Da amargura sem termos, angustiosa,
Entre os frios do pranto e da desgraça,

Até que um dia a dor, violentamente,
Fez nascer no meu cérebro demente
Os anelos de morte, cinza e nada.

E no inferno simbólico do Dante,
Vim reencontrar a lagrima triunfante,
Palpitando em minh’alma estraçalhada.


Autor: Hermes Fontes
(psicografia de Chico Xavier )

Estudos Doutrinários

domingo, 27 de maio de 2012

Árvore dos Problemas





Esta é uma história de um homem que contratou
um carpinteiro para ajudar a arrumar
algumas coisas na sua fazenda.

O primeiro dia do carpinteiro
foi bem difícil.

O pneu do seu carro furou.

A serra elétrica quebrou.

Cortou o dedo.

E ao final do dia,
o seu carro não funcionou.

O homem que contratou o carpinteiro
ofereceu uma carona para casa.

Durante o caminho,
o carpinteiro não falou nada.

Quando chegaram a sua casa,
o carpinteiro
convidou o homem para entrar
e conhecer a sua família.

Quando os dois homens estavam se encaminhando para a porta da frente,
o carpinteiro parou
junto a uma pequena árvore
e gentilmente tocou
as pontas dos galhos com as duas mãos.

Depois de abrir a porta da sua casa,
o carpinteiro transformou-se.

Os traços tensos do seu rosto transformaram-se em um grande sorriso,
e ele abraçou os seus filhos
e beijou a sua esposa.

Um pouco mais tarde,
o carpinteiro acompanhou
a sua visita até o carro.

Assim que eles passaram pela árvore,
o homem perguntou:

- Porque você tocou na planta
antes de entrar em casa ?

- Ah! esta é a minha

Árvore dos Problemas

- Eu sei que não posso evitar ter problemas
no meu trabalho,
mas estes problemas não devem
chegar até os meus filhos e minha esposa.

- Então, toda noite,
eu deixo os meus problemas
nesta Árvore quando chego em casa,
e os pego no dia seguinte.

- E você quer saber de uma coisa

- Toda manhã, quando eu volto
para buscar os meus problemas,
eles não são nem metade
do que eu me lembro
de ter deixado na noite anterior.

Ferida Acesa






- Vó !!!

- Oi !!!

- O que quer dizer isso aqui ?

- Isso o quê ?

Apontou para uma folha de rascunhos, onde estava escrito:

Marcha o homem sobre o chão Leva no coração Uma ferida acesa.

- Você leu, querida ?

- Li.

- Gostou ?

- Para dizer a verdade, não entendi muito bem.

A Vovó sorriu.

- Esse é um verso de uma música de Caetano Veloso.

- Aquele cantor que você gosta ?

- Isso.

- E o que quer dizer ?

- Quer dizer um monte de coisas, como costuma acontecer com os poetas.

- Um monte de coisa o que ?

Acariciou seus cabelos cacheados.

- Essa música diz assim:

Marcha o homem sobre o chão/ leva no coração / uma ferida acesa/ Dono do sim e do não/ diante da visão da infinita beleza/ Finda por ferir com a mão essa delicadeza/ coisa mais querida.


Continuou olhando, impaciente, entendendo cada vez menos.

- Isso quer dizer que todo mundo tem no coração uma ferida.

- Como assim ?

- Não é muito fácil de explicar, meu bem, mas Vovó vai tentar. Lembra da historinha que eu te contei, do Adão e da Eva ?

- Lembro.

- Lembra que eles ficaram muito tristes quando foram expulsos do Paraíso ?

Assentiu com a cabeça.

- Se Adão e Eva representam todas as pessoas, então todo mundo tem no coração essa saudade do Paraíso.

Todo mundo passa muito tempo na vida procurando o seu Paraíso Perdido.

- E onde é que as pessoas procuram pelo tal do Paraíso,
que ninguém encontra ?

Riu-se discretamente, para a neta não achar que ela estava fazendo graça.

- O que eu estou tentando te explicar, é que todo mundo tem no coração essa ferida, essa espécie de saudade, como se tivesse perdido alguma coisa que não consegue mais encontrar. Cada um vive de um jeito com essa dor: Algumas pessoas gritam

" - Socorro! Socorro! Eu tenho um negócio que está doendo! "

- Outras pessoas tentam ganhar muito, muito dinheiro, pensando:

"- Eu vou ter dinheiro para comprar o melhor analgésico do mundo e vou achar o Paraíso com passagem de primeira classe. "

- Tem mais algumas pessoas que dizem.

- Essa história de Paraíso é conversa mole, pra boi dormir - e saem pelo mundo castigando as pessoas pela dor que elas sentem.

- A música quer dizer tudo isso .

- Viu como o poeta consegue dizer muita coisa com poucas palavras ?

- E o resto ?

- Que resto ?

- O resto que você me cantou... ?

O resto da música... ?

- Dono do sim e do não/ diante da visão da infinita beleza

- Isso.

- O homem foi expulso do Paraíso por isso...

- Como assim ?

- O homem ganhou consciência do Bem e do Mal. Ele pode ser dono do Sim e do Não. Pode escolher fazer A ou B, pode subir ou pode descer, pode procurar ou esperar. É dono de Livre Arbítrio. Entendeu ?

Entendeu médio, mas fingiu que entendeu tudo.

- Vó !!!

- Oi !!!

- O que adianta ser dono do Sim e do Não ?

- Adianta muito e não adianta nada... Adianta muito porque todo dia você pode escolher para onde ir, o que fazer. Não adianta para um monte de outras coisas, que não dá nem para falar.

- E essa visão ?

- A visão da infinita beleza ?

- Essa mesmo.

- O homem fica muito ocupado sendo dono do Sim e do Não e decidindo o que fazer com eles... Não consegue ver a infinita beleza da vida. A infinita beleza e a infinita delicadeza das coisas que estão debaixo de nosso nariz.

- E aí - Aí ele se preocupa demais em ser dono de Sim para as coisas que quer e do Não para todo mundo, e sai por aí falando Sim-Não, Sim-Não, Sim-Não para todos os lados... O resultado vem depois, na música.

- Como assim ?

- Na parte que a letra diz:
Finda por ferir com a mão essa delicadeza/ Coisa mais querida.

- O que isso quer dizer - Isso quer dizer que as pessoas não sabem da ferida acesa no seu coração, não sabem que são donas de Sins e de Nãos e acabam ferindo a delicadeza da vida: machucam tudo o que é delicado e indefeso.

- Como as crianças ?

- Machucam as crianças, as plantas e os bichos. Mas machucam sobretudo elas mesmas. A menina ficou com os olhos apertados por uma suave angústia.

- Vó !!!

- Oi !!!

- É por isso que as pessoas grandes são tão infelizes ?

A avó soltou um discreto suspiro.

- É por isso mesmo, meu bem.

- Elas não sabem cuidar da própria ferida ?

- Acho que não.

Continuou pensativa, com ar de densa gravidade.

- E o que a gente pode fazer para ajudar ?

Aconchegou-a mais perto.

- A gente deve cuidar de tudo o que é belo e delicado, meu bem. Começando pelo nosso próprio coração. Só de parar de espalhar mais tristeza, as feridas do mundo começam a melhorar.

Tomou fôlego, numa postura que a Vovó sabia trazer uma pergunta mais definitiva e importante.



- Vó !!!

- Oi !!!

- Por que você deixa esse verso escrito encima da mesa ?

Foi a Vovó que tomou fôlego dessa vez.

- A Vovó gosta muito desse verso, querida. Mas não é por isso que ela o deixa aí na mesa, não.

- E por que ele fica aí, então ?

- É para a Vovó se lembrar que, por mais estúpidas que sejam as pessoas, elas o são por não saber lidar com essa ferida.

- Essa ferida acesa ?

Suspirou mais uma vez.

- Essa ferida tão difícil de apagar.

Achegaram-se as duas.

A menina notou um passarinho pulando na árvore, suavemente, sem quebrar os galhos mais delicados.

Era um movimento de infinita beleza.

LinkWithin



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...