Não te esqueças de que a solução para o problema que te angustia, está a caminho.

Nos tribunais da Divina Justiça, nenhum processo fica parado.

A tua petição, depois de examinada, será deferida de acordo com os teus méritos.

Não te aflijas, antecipando-te às providências que haverão de ser tomadas em favor de tua paz.

Nem agraves a tua situação, tornando inócuas, quando te alcancem, as deliberações em andamento.

Saber esperar é tão importante quanto saber agir.

Toda decisão precipitada acaba sendo uma solução pela metade para o problema que se pretende resolver.

A solução que demora a surgir ainda não encontrou, disponíveis, os elementos que a favoreçam.


Irmão José/Carlos A. Baccelli
livro "Vigiai e Orai"











Dez Maneiras de Amar a Nós Mesmos

1. Disciplinar os próprios impulsos.

2. Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

3. Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

4. Aceitar, sem revolta, a crítica e a reprovação.

5. Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

6. Evitar as conversações inúteis.

7. Receber no sofrimento o processo de nossa educação.

8. Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

9. Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10. Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos, sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.







Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO,
mesmo sabendo que as rosas não falam...

Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro
que nos espera pode não ser tão alegre...

Que eu não perca a VONTADE DE VIVER, mesmo sabendo que a vida é,em muitos momentos, dolorosa...


Que eu não perca a vontade de TER GRANDES AMIGOS,
mesmo sabendo que, com as voltas do mundo,
eles acabam indo embora de nossas vidas...

Que eu não perca a vontade de AJUDAR AS PESSOAS,
Mesmo sabendo que muitas delas são incapazes
de ver, reconhecer e retribuir, esta ajuda...

Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo
que inúmeras forças querem que eu caia...

Que eu não perca A VONTADE DE AMAR, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo pode não sentir o mesmo sentimento por mim...

Que eu não perca a LUZ E O BRILHO NO OLHAR, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo escurecerão os meus olhos...

Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda

São dois adversários extremamente perigosos...

Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo

que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas...

Que eu não perca o sentimento de JUSTIÇA, mesmo
sabendo que o prejudicado possa ser eu...

Que eu não perca o meu FORTE ABRAÇO, mesmo sabendo
que um dia os meus braços estarão fracos...

Que eu não perca a BELEZA E A ALEGRIA DE VIVER, mesmo sabendo

que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...

Que eu não perca o AMOR POR MINHA FAMÍLIA, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia...


Que eu não perca a vontade de DOAR ESTE ENORME AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado...

Que eu não perca a vontade de SER GRANDE, mesmo
sabendo que o mundo é pequeno...

E acima de tudo...

Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente!

Que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois...

A VIDA É CONSTRUÍDA NOS SONHOS

E CONCRETIZADA NO AMOR!






Desencanto

Também, Senhor, um dia, de alma ansiosa,
Num sonho todo amor, carícia e graça,
Quis encontrar a imagem cor-de-rosa
Da ventura que canta, sonha e passa.

E perquiri a estrada erma e escabrosa,
Perenemente sob a rude ameaça
Da amargura sem termos, angustiosa,
Entre os frios do pranto e da desgraça,

Até que um dia a dor, violentamente,
Fez nascer no meu cérebro demente
Os anelos de morte, cinza e nada.

E no inferno simbólico do Dante,
Vim reencontrar a lagrima triunfante,
Palpitando em minh’alma estraçalhada.


Autor: Hermes Fontes
(psicografia de Chico Xavier )

Estudos Doutrinários

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Amor e Desejo - Herculano Pires





Quem ama, quer, quem quer, deseja. O amor desinteressado é uma lenda piedosa. O interesse nasce da essência do ser. A sua projeção no plano existencial é determinada pelo interesse dacomunicação. Esse interesse básico permanece e o domina em toda a sua existência. Comunicação é relação e nesta surgem os atrativos das coisas, das situações e dos seres. Os atrativos formais, situacionais, psicológicos e culturais provocam e estimulam o interesse recíproco entre os pares. O interesse inicial desencadeia a seqüência de interesses que os levará ao despertar do amor, da querência e do desejo. Querer é desejar sem apego, no plano superficial das necessidades imediatistas. Desejar é querer com anseio, sob a ação dos instintos, das forças inconscientes do existente, o ser entregue às exigências vitais do condicionamento humano. Dessas especificações decorrem os vários tipos do amor, desde o instintivo animalesco até o espiritual e sublime, que empenha no amor a totalidade do ser. A paixão é o delírio do ser premido pela ação múltipla e confusa de todos esses vetores em explosão psico-biológico.
Definir essas várias manifestações do amor é uma necessidade da disciplinação do comportamento e daconduta. O comportamento disciplinado racionaliza a conduta e previne os enganos fatais do amor, evitando odelírio da paixão sem asfixiar ou atenuar as expansões naturais do amor. A pesquisa sobre o amor não pretende aniquilá-lo nem conformá-lo a modelos e padrões, mas apenas tornar os amantes conscientes, peloconhecimento do terreno em que pisam, das ilusões e excessos a que podem ser arrastados. Em todas as situações existenciais o conhecimento da realidade é indispensável ao êxito. As correntes da energia amorosa participam ao mesmo tempo das aspirações espirituais e dos impulsos vitais. Só o conhecimento racional dessa condição do amor pode nos dar o domínio do espírito sobre ele através da razão, que é o espírito em atividade na existência. Não há força de vontade que possa dominar o amor, pois o amor joga com a vontadedesde a sua manifestação inicial, sem dar tempo à reflexão, que é logo posta a serviço e em função do interesse do amor.
Todas as divagações sobre o amor nascem do seu fluxo já desencadeado e servem apenas para estimulá-lo. A experiência do amor não informa sobre ele, pois é feita de desejos e frustrações com resultados traumáticos. Por isso os homens maduros e até mesmo os envelhecidos se comportam no amor com a afoiteza e a inexperiência dos jovens.O ridículo dos amores maduros decorre dessa situação etária desconexa. Não há conexão entre as exigências do amor e as da idade madura ou senil no comportamento social. Essa falta de conexão exaspera os amantes extemporâneos, tirando-lhes a possibilidade de agir com moderação e prudência.Simone de Beauvoir protesta, em seu livro sobre a velhice, contra a negação social aos velhos do direito de amar. Um protesto inócuo, pois o problema decorre de uma defasagem etária em que as condições naturais do processo existencial são violadas pelos amantes, o que determina o desajuste indisfarçável da sua posição social.Os velhos não perdem o direito de amar, pois a lei do amor é eterna e insubmissa às ordenações temporais. Mas as próprias condições biológicas da velhice mostram que esse direito deve ser exercido num sentido mais amplo e espiritual. O desgaste das energias físicas anuncia o fim do ciclo existencial e a libertação do espírito para dimensões mais amplas da realidade. É nesse momento que toda a experiência existencial dos velhos fracassa ante o instinto de conservação e o fluxo poderoso das energias daafetividade. Quando os velhos resistem ao desgaste físico e mantêm a juventude do espírito – pois esse não envelhece, deixando-se apenas influenciar pela velhice do corpo – a ilusão de uma condição vital ainda equilibrada pode levá-los a tentar aventuras amorosas de conseqüências perigosas. A pesquisa sobre o amorrevela que a própria virilidade física pode manter-se até a mais alta idade, tanto no homem como na mulher.Mas demonstra também que as condições favoráveis da velhice conservada não passam, em geral, de um curto período existencial, e mesmo quando se prolonga mais do que se pode esperar, é sempre seguido deconseqüências que embaraçam ou perturbam as relações do casal em desnível crescente, criando-lhes problemas insolúveis.
Ao amor da velhice é oferecida a opção da família, das novas gerações que brotaram do tronco agora envelhecido, mas ainda firme e erecto, com suas raízes agarradas ao chão e seus ramos abertos ao céu. Vargas Villa, já nas proximidades dos sessenta anos, revisando Ibis, livro da juventude, para uma reedição na Itália, deixou-nos um testemunho impressionante do envelhecimento consciente e carregado de belezas e emoções insuspeitadas:
“Como habrá quien puede llegar a estas alturas de la vida, em que de pié, sobre la cimbre de la edad,divisamos a nuestros piés las llanuras de la Vejez y enpezamos a descender a ellas com uma fronte gravida de pensamientos y nun ritmo suave, como de subito nos hubiesen nascido unas alas muy tenues, echas para volar em el crepusculo? El Sol, violador de todas las tiniebras, no tiene ya, em la casta quietud de esse horizonte, nada que violar.”
Não se trata de uma conformação forçada, mas de um amortecer natural das trepidações da existência, na fase de chegada ao destino, quando o navio diminui a contagem dos nós à vista da terra próxima, ou quando o avião abranda a fúria das hélices para ensaiar o pouso tranqüilo e seguro na pista certa e precisa do aeroporto. Todas as batalhas foram vencidas, para aquele que soube lutar com plena consciência dos seus objetivos. Por isso o espírito se quieta no corpo envelhecido e o homem sorri com leve ironia, toda de auto-piedade, lembrando as refregas ardorosas em que se atirara coroado de louros que murcharam na esteira do tempo. Se soube aprender as lições existenciais, seu coração se abre para os filhos e netos, cercado de carinho e respeito. É então que as aves se acolhem aos ramos das suas experiências, como no soneto de Bilac. Trocar essa serenidade em que o passado ecoa surdamente, à maneira do marulhar das ondas numa concha vazia, pelas inquietações de uma reconstrução impossível é expor-se desavisado aos fracassos e ao ridículo. Knut Hamsum adverte: “Um vagabundo toca em surdina, quando chega aos cinqüenta anos.”
O envelhecer é o anoitecer existencial. Ao cair do crepúsculo, aqueles que envelhecem normalmente sentem as asas tênues de Vargas Villa, o impetuoso escritor colombiano que empolgou a Europa de fins do século passado com seu estilo vibrante e nervoso, retumbante como o do Corão. Se houve alguém que devia ter dificuldades para envelhecer, foi sem dúvida Vargas Villa. Mas podemos ver, no pequeno trecho que dele transcrevemos, em sua própria língua, tão apropriada a ele, como essa inteligência vulcânica soubecompreender a beleza da hora crepuscular. Era um solitário que amava o mundo e a vida expansiva, numa intimidade telúrica e vivencial que só ele conseguia manter. Falava de seu amor em estilo pirotécnico, mas o cultivava às escondidas, num “tête-à-tête” ciumento. Esse intimismo o preparou para tocar em surdina, obedecendo ao ritmo da vida.
Na proporção em que o organismo físico decai, diminuindo a intensidade dos impulsos, a existência se torna cinzenta. Mas, ao mesmo tempo, o colorido do poente anuncia um novo alvorecer. E quando as trevas envolvem a paisagem, as estrelas assaltam o céu numa revoada de mundos insuspeitados. É a hora em que o ser descobre a sua ligação secreta com o Cosmos, a sua união profunda com o Todo. O espírito se desliga lentamente dos particularismos do planeta para vislumbrar a imensidade que o espera, a eternidade dinâmica que o atrai. As asas tênues do crepúsculo convertem-se em asas estelares das almas viajoras de Plotino. Insistir no apego à vida terrena, ao plano existencial, é lutar contra a realidade universal inelutável. Não são apenas os velhos que morrem, mas na velhice a morte é o prêmio da vida, pois esta se desdobra em novas e surpreendentes perspectivas nos ritmos do envelhecer. A maior e a mais brilhante dessas perspectivas é a doamor, que se amplia em todas as direções e eleva-se nas hipóstases do Inefável, onde as mãos de Beatriz nos mostram as revoadas dantescas de asas angélicas. Repudiar essa oferta divina para tentar readaptações mesquinhas e inviáveis no mundo dos homens é negar-se a si mesmo. O ser que se entrega confiante a esse arrebatamento não teme envelhecer. Descobre por si mesmo a harmonia perfeita dos ritmos da vida, na sucessão gradual das fases existenciais, em que a velocidade interior dos impulsos vitais acompanha a invariabilidade dos ritmos exteriores, numa conjugação inexplicável,determinada por um esquema sutil de leis desconhecidas. Arrebatado pela morte, que assusta e horroriza os jovens, o espírito amadurecido na experiência existencial descobre a si mesmo e entra na posse da herança que o esperava segundo o ensino do Apóstolo Paulo. Não encontra o Céu das lições religiosas, nem o paraíso terreno dos árabes com suas urís e seus profetas, mas a realidade essencial das coisas e dos seres, em que se identifica com a sua própriarealidade.
Os que não venceram na projeção existencial, identificando-se com as etapas da existência, apegando-se às formas perecíveis da rotina vivencial, sem descobrir o sentido da descoberta filosófica de que a existência é subjetividade pura, permanecem prisioneiros de si mesmos, amarrados a ídeo-cristalizações do passado, apegados às hipóstases terrenas e às aparências de uma velhice estacionária e por isso mesmo irreal, que só neles existe.
Os velhos são geralmente acusados de retrocesso ao egocentrismo infantil. Engolfam-se em suas recordações e só amam a si mesmos. A velhice não deforma o espírito, apenas o liberta. O egoísta se engolfa no egoísmo que cultivou na existência. O espírito aberto e generoso continua a ser o que era. Mas o desencanto do mundo e da vida, a superação das ilusões tornam geralmente os velhos mais introspectivos, desligados de uma realidade exterior que para eles não tem mais nenhum segredo. Mas o amor permanece em seus corações como a chama solitária do Templo de Vesta, sempre alimentada pelas vestais das lembranças e das experiências adquiridas. A chama tranqüila, acesa na penumbra do templo, não tem os lampejos de outrora, mas não se apaga. É o fogo de coivara das queimadas sertanejas, que dorme nas brasas entre as cinzas e pode reavivar ao sopro dos ventos. Basta o desencadear de acontecimentos inesperados, com lufadas que atinjam a sua sensibilidade, para que o amor dos velhos se erga novamente em labaredas de abnegação e sacrifício. É o que se vê nos grandes momentos históricos e até mesmo no âmbito de instituições privadas, quando velhos lutadores retornam à liça para defender os seus antigos ideais.Nas lutas da última conflagração mundial, quando a loucura nazi-facista empolgou multidões alucinadas, vimos os velhos lutadores do passado, encastelados em suas posições definitivas ou até mesmo em seu repouso, levantarem-se como barreiras ante a ameaça dos bárbaros. Churchill voltou, com seu charuto à boca, a erguer o V da vitória aparentemente impossível sobre as ruínas de Londres. Roosevelt deixou as comodidades de Washington para agir como um jovem guerreiro em defesa dos ideais democráticos. Stalin saiu de sua toca de urso para deter nas estepes geladas o avanço das tropas nazistas. Mas um velho egoísta não titubeou, após a morte de Roosevelt, em ordenar o genocídio atômico de Nagazaki e Hiroshima, porque em seu coração o amor pela humanidadejamais conseguira lampejar. Na França, Petain, o velho herói do Marne, aturdido com o esmagamento impiedoso da pátria, expôs-se à vergonha de Vichy para poupar,à custa de sua própria desonra, a população indefesa.
Esses exemplos históricos, e tantos outros que se perderam no anonimato das terras martirizadas, dos povos esmagados pela catástrofe, mostram que no coração dos velhos a chama do amor continua acesa enquanto as condições físicas do cérebro permitirem a atividade espiritual da mente.
Naqueles em que o amor se elevou aos planos do altruísmo, os desejos individuais, dirigidos pelas forças genéticas, apagam-se para dar mais brilho aos anseios de sublimação. Os prazeres sensoriais perdem o seu encanto e são substituídos pelas aspirações do futuro, entrevistas na paranormalidade das percepções extra-sensoriais. O ser do corpo emudece ante o contínuo e secreto murmurar do ser espiritual. É graças a isso que a aparência juvenil de certos velhos não corresponde à realidade de sua inevitável decadência orgânica. A chama do amor sustenta o corpo envelhecido.


Herculano Pires 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...