Não te esqueças de que a solução para o problema que te angustia, está a caminho.

Nos tribunais da Divina Justiça, nenhum processo fica parado.

A tua petição, depois de examinada, será deferida de acordo com os teus méritos.

Não te aflijas, antecipando-te às providências que haverão de ser tomadas em favor de tua paz.

Nem agraves a tua situação, tornando inócuas, quando te alcancem, as deliberações em andamento.

Saber esperar é tão importante quanto saber agir.

Toda decisão precipitada acaba sendo uma solução pela metade para o problema que se pretende resolver.

A solução que demora a surgir ainda não encontrou, disponíveis, os elementos que a favoreçam.


Irmão José/Carlos A. Baccelli
livro "Vigiai e Orai"











Dez Maneiras de Amar a Nós Mesmos

1. Disciplinar os próprios impulsos.

2. Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

3. Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

4. Aceitar, sem revolta, a crítica e a reprovação.

5. Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

6. Evitar as conversações inúteis.

7. Receber no sofrimento o processo de nossa educação.

8. Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

9. Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10. Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos, sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.







Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO,
mesmo sabendo que as rosas não falam...

Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro
que nos espera pode não ser tão alegre...

Que eu não perca a VONTADE DE VIVER, mesmo sabendo que a vida é,em muitos momentos, dolorosa...


Que eu não perca a vontade de TER GRANDES AMIGOS,
mesmo sabendo que, com as voltas do mundo,
eles acabam indo embora de nossas vidas...

Que eu não perca a vontade de AJUDAR AS PESSOAS,
Mesmo sabendo que muitas delas são incapazes
de ver, reconhecer e retribuir, esta ajuda...

Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo
que inúmeras forças querem que eu caia...

Que eu não perca A VONTADE DE AMAR, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo pode não sentir o mesmo sentimento por mim...

Que eu não perca a LUZ E O BRILHO NO OLHAR, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo escurecerão os meus olhos...

Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda

São dois adversários extremamente perigosos...

Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo

que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas...

Que eu não perca o sentimento de JUSTIÇA, mesmo
sabendo que o prejudicado possa ser eu...

Que eu não perca o meu FORTE ABRAÇO, mesmo sabendo
que um dia os meus braços estarão fracos...

Que eu não perca a BELEZA E A ALEGRIA DE VIVER, mesmo sabendo

que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...

Que eu não perca o AMOR POR MINHA FAMÍLIA, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia...


Que eu não perca a vontade de DOAR ESTE ENORME AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado...

Que eu não perca a vontade de SER GRANDE, mesmo
sabendo que o mundo é pequeno...

E acima de tudo...

Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente!

Que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois...

A VIDA É CONSTRUÍDA NOS SONHOS

E CONCRETIZADA NO AMOR!






Desencanto

Também, Senhor, um dia, de alma ansiosa,
Num sonho todo amor, carícia e graça,
Quis encontrar a imagem cor-de-rosa
Da ventura que canta, sonha e passa.

E perquiri a estrada erma e escabrosa,
Perenemente sob a rude ameaça
Da amargura sem termos, angustiosa,
Entre os frios do pranto e da desgraça,

Até que um dia a dor, violentamente,
Fez nascer no meu cérebro demente
Os anelos de morte, cinza e nada.

E no inferno simbólico do Dante,
Vim reencontrar a lagrima triunfante,
Palpitando em minh’alma estraçalhada.


Autor: Hermes Fontes
(psicografia de Chico Xavier )

Estudos Doutrinários

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Divaldo P.Franco fala sobre violência, perdão, céu e inferno



.Divaldo Franco diz que saber perdoar é a melhor maneira de encontrar a paz

Reconhecido como um dos maiores médiuns e oradores espíritas da atualidade e o maior divulgador do espiritismo por todo o mundo, o baiano de Feira de Santana Divaldo Pereira Franco chega aos 87 anos com números que impressionam: são mais de 13 mil conferências, em cerca de duas mil cidades brasileiras e em 65 países em 67 anos dedicados à religião que abraçou. Como médium, publicou 255 livros, com mais de oito milhões de exemplares, muitos psicografados por 211 autores espirituais e traduzidos para 17 idiomas. A renda proveniente da venda dos livros e os direitos autorais foram doados a entidades filantrópicas e mantém a Mansão do Caminho, instituição fundada por ele em Salvador e que hoje atende a cerca de três mil crianças e adolescentes de famílias de baixa renda. Aposentado como escriturário no antigo Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado (Ipase), em Salvador, Divaldo tem mais de 600 filhos adotivos e mais de 200 netos e bisnetos. Mesmo com a idade avançada e após ter vencido um câncer e um infarto, o espírita não recusa convites para levar o conhecimento da doutrina codificada por Kardec a qualquer parte do mundo. Religião que, para ele, é ciência e filosofia de vida. No dia 2 de setembro, quando esteve na cidade para mais uma palestra, o orador recebeu a Tribuna e falou sobre perdão, violência, céu e inferno.




Tribuna – Onde o senhor encontra vitalidade para tantos compromissos?

Divaldo Franco - É a alegria de viver. Quando nós abraçamos uma doutrina que nos oferece a satisfação da vida, parece que o tempo não comporta as responsabilidades, os compromissos que abraçamos. O espiritismo é uma ciência porque demonstra, em laboratório, a sobrevivência da alma, mas é também uma filosofia de vida. Todos nós temos problemas, conflitos, heranças de perturbações emocionais, a hereditariedade e os nossos próprios delitos. Através da filosofia espírita da reencarnação, nós sabemos que tudo isso tem uma razão de ser. Não existe efeito sem causa. Desde que haja uma causa inteligente, o efeito será inteligente. Então consideramos a dor não um ato punitivo, mas um fenômeno normal. O organismo é matéria, degenera, então a dor é inevitável. O emocional aspira, o ser psicológico deseja e nem sempre consegue, então tem conflito. O ser psíquico, às vezes, não tem resistência para enfrentar as vicissitudes e delira. O espiritismo nos ensina não o conformismo, em que nós cruzamos as mãos e aceitamos, mas uma resignação dinâmica: ‘Isso está me acontecendo por tal razão. Eu vou lutar para superar’. Porque tudo que nos acontece é pela permissão de Deus, e Deus nos ama, realmente. Eu já tive um câncer, uma parada cardíaca, mas nunca me deixei abater. Graças a isso, sinto uma imensa alegria em viver e tenho ainda a oportunidade de confortar as pessoas.

- Como não se deixar abater pelas desilusões?

- Quando eu guardo mágoa, ela me faz mais mal do que bem, e quem me ofendeu não está dando a menor importância. Quando eu perdoo, eu me liberto, mas quem fez o mal continua devendo às leis divinas. O perdão não é esquecer o mal que nos fizeram, porque isso é fenômeno da memória. É não devolver o mal que nos fizeram, ficar em paz. Se alguém não gosta de você, a pessoa é que tem conflito. Mas na hora em que nós não gostamos, o conflito é nosso. Hoje nós adotamos a psicologia do perdão. Necessitamos de perdoar muita coisa aos outros, mas também a nós mesmos. Nós somos muito enérgicos conosco. Qualquer mal que nós fazemos, às vezes, escamoteamos, procuramos anular. Mas chega o dia em que ele volta. O que fazer? Dá-se o direito de ser uma criatura humana, errar e levantar-se.

- O que o espiritismo entende como céu e inferno?

- Como estados de consciência. Na Idade Média, a gente podia compreender a existência do alto e do baixo. Mas hoje nós sabemos que o infinito não está nem acima e nem abaixo. Neste momento, poderíamos estar de cabeça para baixo, em outra posição. Mas, nesta realidade, concebeu-se que o baixo, inferior, era um lugar de desgraça. Inferno era aquele lugar de irrecuperação, e o alto era a misericórdia de Deus. Com a visão da física quântica, da cosmofísica, à visão da psicologia, não podemos conceber um pai que castiga um filho, que é mais ignorante do que perverso, eternamente, por um crime que às vezes é infantil. O indivíduo, por exemplo, comete um crime, assassinou o outro em um momento de fúria. Ele merece uma reeducação, e não uma punição permanente. O estado de consciência leva-nos à paz ou leva-nos à desgraça. Quando nós temos culpa, quando nós temos arrependimentos, então nós estamos no inferno. Quando estamos bem com nossa consciência, estamos no céu. Consideramos que, após a morte do que nós vivemos, iremos para regiões felizes ou regiões infelizes transitórias. Porque o mundo é uma associação de energia. O universo é um conjunto de ondas concêntricas e excêntricas. De acordo com o nosso tonos vibratório, tanto nós podemos ascender qualitativamente como cair qualitativamente. Taí o mais fascinante: o Papa João Paulo II, um homem notável, reconheceu que céu e inferno são estados de consciência, como Allan Kardec o fez.

- Juiz de Fora vive hoje uma situação de violência, onde jovens matam uns aos outros. O que o espiritismo tem a dizer para as pessoas que perderam entes queridos para a violência?

- Há uma falência da cultura, que é imediatista. O triunfo é você derrubar o outro para ocupar o lugar. Felicidade é você ter uma paixão, fluir e descartar depois a pessoa. O conceito ético e moral sofreu uma mudança terrível. E hoje o que vale é o individualismo, o consumismo, o erotismo. Quando o indivíduo se sente frustrado, não tendo resistências morais, apela para o crime. Seja contra o outro, seja contra o patrimônio, ou contra ele mesmo, no estado de desamor. É da divindade a proposta de nos amarmos. Amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Se eu não me amo, eu nunca amarei você. Eu terei um sentimento de paixão, de desejo, mas, na hora em que eu for contrariado, o amor se transforma em revolta. Não era amor, era desejo. Mas se eu me amo, se eu me respeito, se eu desejo evoluir intelectual e moralmente, eu compreendo o quanto é difícil para mim vencer certas tendências negativas. Então eu dou direito ao outro de também ter essas tendências negativas. Eu não posso impor o meu sentimento a outrem. Eu posso expor, mas se eu for rejeitado, muito bem, parto para outra. Dessa maneira, através da reencarnação, nós podemos mudar esse quadro de violência. A violência do indivíduo contra si mesmo, contra a sociedade. Quando não pode destruir o outro, então mata-se, num processo de vingança, para que o outro tenha conflito. A proposta de Jesus Cristo, como filósofo, pensador, como homem que mudou a cultura do mundo em todos os tempos, é de autoamar-se para amar e educar, porque através da educação, nós mudamos hábitos e daremos resistências. Oferecemos ao indivíduo a esperança de que o que hoje não deu certo é véspera do que vai ser acertado amanhã. E, para aqueles que ficam no sofrimento ante a perda, nós dizemos: ‘Não se desespere. Os seres queridos vivem, voltarão e você terá contato com eles’.

- E como os praticantes acreditam poder ajudar os espíritos que desencarnam vítimas da violência?

- Através da prece, lembrar com carinho. Todo impacto nos produz um grande choque emocional, e quando algo de trágico acontece nós ficamos fixados na tragédia. Um dia, um materialista me disse uma coisa notável: ‘Quando vem um paciente que perdeu um familiar, eu, como materialista, não tenho nada a dizer. Então, eu formulei uma frase. Lembre-se de tudo o que você viveu de alegria, de bom e de felicidade com o seu ente querido. Não se lembre da morte dele, lembre-se do período de alegria. Nem tudo será para sempre. Ele morreu, mas eu fui feliz durante um tempo X, e aceite isso.’ Eu achei notável. Porque o que importa não é ser feliz permanentemente, porque é impossível, chega o momento em que a felicidade se interrompe. Mas quando nós recordamos coisas boas, voltamos a vivê-la. ‘Ah, mas terminou em uma tragédia!’ Eu digo: ‘Não. Interrompeu naquele momento para continuar depois’.

- No livro “Transição planetária”, que o senhor psicografou através do espírito de Manoel Philomeno de Miranda, o autor diz que a Terra está passando por uma transformação, deixando de ser um planeta de provas e expiações para ser transformar em um planeta de regeneração. Ou seja, só reencarnariam na Terra espíritos que estão a caminho da evolução, que fizeram o bem. Pessoas que só fizeram o mal na Terra iriam reencarnar em outro planeta, de sofrimento e dor. Como as pessoas que não são espíritas podem entender essa situação?

- É o que pregam todas as doutrinas cristãs. A grande guerra do Armageddon, a batalha final. O Armageddon é uma região chamada Vale de Jericó, em Israel. Todas as batalhas se travavam ali, porque é uma passagem estreita. Hoje, com as armas inteligentes, não há guerra local. A guerra pode ser aqui, mas o navio pode estar do outro lado do Atlântico e mandar o míssil teleguiado de cinco mil quilômetros, e ele atinge esse hotel. É uma arma inteligente. O Armageddon é nosso estado de conflito. Nós vivemos numa sociedade conflitiva, as pessoas não se amam, se armam. Ao invés de amar umas às outras, armam-se umas contras as outras, um verdadeiro caos. Mas, concomitantemente, nunca houve tanta bondade no mundo. Estamos vendo a tragédia no Afeganistão, do Iraque, dessa intolerância do radicalismo, degolando pessoas, é trágico. Mas quantos milhares de pessoas boas. Evocamos madre Teresa de Calcutá, Chico Xavier, pessoas anônimas, pais e mães generosos, abnegados por filhos ingratos e perversos. Cientistas notáveis, como os médicos sem fronteiras, contaminado-se pelo Ebola para salvar a humanidade. Outros, em laboratórios, tentando encontrar antivírus para a Aids, Ebola, infecções degenerativas. Creia que há muito mais gente boa do que má. Sucede que as pessoas perversas fazem muita zoada, e as pessoas boas são discretas, então passam desapercebidas. Está havendo uma mudança de conceito. Já nem todos estão satisfeitos, almejam um mundo melhor no qual não haverá dor, porque não haverá má conduta, não haverá essas enfermidades degenerativas porque já não necessitaremos sofrer. Teremos o amor como nosso norte.

Tribuna entrevista Divaldo Pereira Franco

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Grilhões Partidos






O Autor Espiritual Manoel Philomeno de Miranda, quando encarnado, viveu em Salvador, desencarnando no dia 14 de julho de 1942.

O primeiro contato entre Divaldo e Manoel Philomeno deu-se em 1.970 e muito pouco tempo depois Divaldo escreve o primeiro livro de uma série.Comenta Divaldo Pereira Franco a respeito do seu contato com Manoel Philomeno de Miranda – Espírito:

“Quando chegou ao Mundo Espiritual foi estudar em mais profundidade as alienações por obsessão e as técnicas correspondentes da desobsessão. (…) Convidado por Joanna de Ângelis, para trazer o seu contributo em torno da mediunidade, da obsessão e desobsessão, ele ficou quase trinta anos realizando estudos e pesquisas e elaborando trabalhos que mais tarde iria enfeixar em livros (…). Ao me aparecer, então, pela primeira vez, disse-me que gostaria de escrever por meu intermédio.

Levou-me a uma reunião, no Mundo Espiritual, onde reside, e ali, mostrou-me como eram realizadas as experiências de prolongamento da vida física através da transfusão de energia utilizando-se do perispírito.

Depois de uma convivência de mais de um mês, aparecendo-me diariamente, para facilitar o intercâmbio psíquico entre ele e mim, começou a escrever “Nos Bastidores da Obsessão”, que são relatos, em torno da vida espiritual, das técnicas obsessivas e de desobsessão. (…)”¹

A relação de livros psicografados por Divaldo, de autoria espiritual de Manoel Philomeno de Miranda é extensa, a saber:

 Nos Bastidores da Obsessão

 Grilhões Partidos

Tramas do destino

 Nas Fronteiras da Loucura

 Painéis de Obsessão

 Loucura e Obsessão

Temas da Vida e da Morte

Trilhas da Libertação

Tormentos da Obsessão

Sexo e Obsessão

 Entre os Dois Mundos

Reencontro com a Vida

 Transtornos Psiquiátricos e Obsessivos

 Transição Planetária

Mediunidade: Desafios e Bençãos

Amanhecer de Uma Nova Era

Portanto, Grilhões Partidos é o segundo livro psicografado por Divaldo deste Autor Espiritual. É uma história muito instrutiva, pois, nos mostra todas as implicações que recaem sobre o processo obsessivo (obsessor e obsediado), origens, consequências e a luta árdua para tratá-la.

Escreveu o Dr. Jorge Andréa, na última capa do livro:

“Achamos o livro simplesmente notável. Em suas páginas iniciais – Prolusão – apresenta a temática obsessional logicamente precisa, traçando um perfil bem característico sobre a equipe das sessões de desobsessão, sobre os obsessores e os obsediados.

Percebe-se que o Autor ao trazer material específico para observações, não foge das configurações científicas atuais; realmente procura ampliar os conhecimentos.

Com todos os conceios científicos apresentados, o livro mostra em caráter romanesco, uma história em que os diálogos, a exposição das idéias e a concatenação dos pensamentos são cuidadosos e bastante acertados, sendo, por isso, antes de mais nada primoroso tema literário.

Por tudo, consideramos a figura do médium Divaldo Pewreira Franco que mais uma vez traduziu de modo harmônico e ajustado ideias do Mundo Espíritual, que merecem acatamento pela seriedade e justeza dos propósitos.”²

Pelos comentários registrado pelo Dr. Jorge Andréa, percebe-se a seriedade e riqueza de elementos instrutivos do livro e de toda a sua trama.

O livro inicia-se com a preparação da festa de debutante da filha do Coronel Constâncio Medeiros de Santamaria, comedido e austéro, sua esposa e a filha Ester. O cuidado nos detalhes, na seleção dos convidados tudo cuidado com extremo carinho. E chega o dia da grande festa. Os violinos tocam, pai e filha dançam a valsa. Todos divertem-se, o Coronel, esposa e filha estão felizes, quando de repente … “Ester se perturbou momentaneamente, o corpo delicado pareceu vergar sob inesperado choque elétrico. Ela se voltou, de inopino, e fixou os olhos muito abertos, quase além das órbitas, no genitor. Estava desfigurada: palidez marmórea cobria-lhe o semblante. Na testa maquilada e por todo o rosto, o suor começou a porejar abundante. Ergueu-se algo cambaleante, fez-se rígida.O fácies era de tresloucada.

As pessoas, tomadas pela surpresa, ficaram sufocadas, inermes. A adolescente avançou na direção do pai aparvalhado, sem ânimo de a acudir, e, sem maior preâmbulo, acercou-se dele, estrugindo-lhe na face ruidosa bofetada. Este se ergueu, congestionado, ao tempo em que a filha novamente o agrediu por segunda vez.

Armou-se tremendo escândalo. Algumas damas mais sensíveis puseram-se a gritar, e o senhor Coronel, atoleimado, revidou o golpe automaticamente, surpreendendo-se a si mesmo, ante gesto tão infeliz. A menina, alucinada, pôs-se a gritar, sendo, à força, conduzida à alcova. ”³

A partir deste momento a história desenrola-se de maneira sublime com o esforço do pai na busca da cura da filha. Da descoberta do processo obsessivo e a razão pela qual tal processo instalou-se.

É um fato ocorrido no passado do Coronel, quando este, participando da Guerra, como oficial na patente de Capitão do Exército Brasileiro na Itália em dezembro de 1944 na batalha e Monte Castelo tem como subordinado o soldado Matias. E, uma promessa não cumprida, que desencadeia toda a trama da história.

Não se trata de um romance, pois se trata de uma história real, vivida por personagens reais e que, até muito pouco tempo atrás, esses personagens viviam entre nós aqui no nosso Estado do Paraná.

A prece que está relatada nas últimas páginas do livro é algo de emocionante, uma vez que é o agradecimento dos envolvidos na problemática que o orientador do trabalho de desobsessão encerra a tarefa. Vale a pena ler o livro não somente pela história, mas pelos ensinamentos que o mesmo nos traz.

Bibliografia

 – Livro Grilhões Partidos – 4ª Capa – Edição 15ª, Ano 2012.

 – Livro Grilhões Partidos – Cap.1 Revelações surpreendentes – Edição 15ª, Ano 2012.



Aprender a conviver ..



Seguindo com nossas reflexões sobre a aprendizagem, percebemos que o relatório Delors apresenta um caminho para a formação do ser humano, que passa por etapas bem constituídas. Primeiro, aprendemos a conhecer, entendendo qual o processo que utilizamos para aceitar e entender as informações ao nosso redor; depois, sedimentamos a aprendizagem desse novo conteúdo, ao aplicarmos o conhecimento de forma prática; este é o “aprender a fazer”.

Falaremos agora sobre o terceiro pilar da aprendizagem, aquele que muito interessa aos coordenadores de grupos de estudo pela sua consequência na forma como conduzimos esses grupos em “nossa” Casa Espírita; trata-se do “a prender a conviver”.

Allan Kardec enfatiza que o conhecimento do Espiritismo traz inúmeras consequências para a vida do ser humano. Ele diz, também, que o conhecimento da Doutrina não só ajuda seus adeptos a entender melhor os mecanismos do Universo, mas também é capaz de torná-los mais felizes. Analisemos a citação que se segue (grifo nosso):

“Quando, porém, conseguir a soma de gozos que o progresso intelectual lhe pode proporcionar, verificará que não está completa a sua felicidade. Reconhecerá ser esta impossível, sem a segurança nas relações sociais, segurança que somente no progresso moral lhe será dado achar: Logo, pela força mesma das coisas, ele próprio dirigirá o progresso para essa senda e o Espiritismo lhe oferecerá a mais poderosa alavanca para alcançar tal objetivo”.

L.E: Conclusão, item IV

Kardec coloca a segurança nas relações sociais como fator essencial para a felicidade. Isto nos ajuda a compreender o papel que a boa convivência tem em nossas vidas.

Santo Agostinho trata desta questão em O Evangelho segundo o Espiritismo, no capítulo “Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai” quando fala dos mundos de provas e expiações. Ele diz que nosso planeta possui os estímulos necessários para no crescimento intelectual e moral.

“A Terra, conseguintemente, oferece um dos tipos de mundos expiatórios, cuja variedade é infinita, mas revelando todos, como caráter comum, o servirem de lugar de exílio para Espíritos rebeldes à lei de Deus. Esses Espíritos têm aí de lutar, ao mesmo tempo, com a perversidade dos homens e com a inclemência da Natureza, duplo e árduo trabalho que simultaneamente desenvolve as qualidades do coração e as da inteligência. É assim que Deus, em sua bondade, faz que o próprio castigo redunde em proveito do progresso do Espírito”. Santo Agostinho (Paris, 1862) (Grifo Nosso)

Fizemos observações específicas nas duas passagens acima para mostrar a importância dada ao assunto, tanto por Kardec quanto pelos Espíritos. O crescimento moral se expressa nas relações sociais, no trato que o homem tem com as pessoas a sua volta.

Conseguimos observar o princípio do bem conviver no conceito de caridade estabelecido pelo Cristo (O Livro dos Espíritos, questão 886). Quando os Espíritos nos esclarecem que a caridade entendida por Jesus se tratava de Benevolência para com todos, Indulgência para com os erros alheios e Perdão das ofensas, esta já mostrava o caráter da boa convivência e da segurança nas relações sociais.

Reforçando ainda mais essa ideia, na questão 298 de O Livro dos Espíritos, os orientadores espirituais nos dão a ideia de que os males humanos nascem da discórdia entre os homens, e que os Espíritos Superiores têm como fonte de suprema felicidade o amor que os une (questão 967).

Se levarmos em consideração o fato de os grupos de estudos servirem de ambiente para o aprendizado e prática dos princípios da Doutrina Espírita, será nesse ambiente também que envidaremos esforços para a boa convivência. O “aprender a conviver” passa a ser pilar fundamental em um programa de estudos.

Para tanto, o grupo deve estimular os integrantes a buscarem compreender como funcionam em grupo, iniciando a reflexão a partir da análise de como eles têm se portado dentro do próprio grupo, um ambiente muito privilegiado, tanto pela boa intenção de todos os que estão presentes, como pela ajuda dos bons Espíritos e também com base nos princípios e valores que são estudados regularmente.

Será, então, a partir destas reflexões que os participantes poderão compreender os princípios da Doutrina (como as Leis Morais, por exemplo) e aplicá-los de forma segura e orientada dentro do grupo.

O coordenador deve, então, buscar construir um ambiente de estímulo à reflexão e experimentação das atitudes saudáveis que ainda virão a se tornar hábitos, a partir do esforço de cada um.

Assim sendo, explorar os nossos sentimentos e atitudes diante de um membro do grupo que nos incomoda pode ser uma das mais ricas experiências, desde que se o faça com o interesse em compreender e melhorar.

Do mesmo modo, receber dos outros a impressão que lhes causo, para saber o que posso fazer melhor, pode ser um grande presente que nos poupe muitos sofrimentos para buscar a conscientização necessária.

Os coordenadores devem, para tanto, habituar-se primeiro com a tarefa do conhecimento de si mesmos, para, então, eficazmente, conseguirem ajudar os outros a trilhar esse caminho, descobrindo ângulos de sua personalidade antes obscuros por motivos diversos, e crescendo com isso. É o esforço de deixar de ser um doutrinador, para tornar-se um evangelizador, consoante o ensino de Emmanuel, na sua obra O Consolador, na questão 237.

A arte de bem conviver é um passo essencial para a construção de um mundo mais feliz. É a oportunidade que temos de experimentar, em parte, a felicidade que os Espíritos mais elevados têm em mundos superiores.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Servir


"Nenhuma construção digna se efetua sem a cooperação do serviço e do tempo."

No dicionário, encontramos a definição para a palavra "servir" como: ser útil ou prestável a; auxiliar, favorecer, ajudar; entre outras.

Nesse sentido, sentenciamos uma ferramenta ou instrumento danificado, como inútil. Se essa ferramenta não cumpre com o objetivo para o qual ela foi concebida, não atende mais às nossas necessidades; sua existência não faz sentido, ela não nos serve mais, não vale mais que o espaço que ocupa.



Qual é o sentido da vida?

Desse modo, debruçamo-nos novamente sobre a questão filosófica primordial: Qual é a razão de nossa existência? Nós, espíritas, acreditamos que as diversas encarnações que experimentamos, ocorrem, por conta da necessidade de aperfeiçoamento, que é possível mediante a aquisição de conhecimentos e na aplicação destes, sobretudo, nas relações sociais. Em resumo, evoluímos quando aprendemos a amar.

Acumulamos através dos séculos, sérios comprometimentos com nossos semelhantes. A reencarnação é uma nova oportunidade de reencontro com essas almas, para que possamos desatar os nós que nos prendem à sentimentos primitivos como o ódio, a vingança, a intolerância e aos processos de culpa, que nos localizam nas zonas vibratórias inferiores, tornando-nos os próprios artífices de nossa infelicidade.

Com efeito, só podemos evoluir em qualquer sentido, quando nos tornamos úteis aos nossos semelhantes, integrando-nos num mecanismo precioso que nos torna condutores do amor de Deus que flui através de todas as suas criaturas.

Utilizando esta analogia, o homem que não serve a seu semelhante torna-se inútil para si mesmo, tanto quanto para com os outros. O bom servidor é o homem que faz uso de todos os recursos disponíveis para auxiliar o próximo, e todos, são portadores dos recursos necessários às tarefas a que se propuseram.

Cada ferramenta para sua tarefa


É importante ressaltar que cada ferramenta é destinada a um determinado tipo de tarefa, e não são raros os casos de trabalhos mal realizados pela escolha da ferramenta inapropriada.

Na medida em que o servidor evolui, novas tarefas lhe são confiadas, de forma, que todos podemos oferecer nosso melhor dentro da esfera evolutiva a que pertencemos.

Todos os seres existentes, desde os minerais, os vegetais e os animais, contribuem, de acordo com suas possibilidades com o meio em que estão inseridos, os minerais, fornecendo agentes químicos, os vegetais produzindo oxigênio e outras infinitas atividades imperceptíveis aos nossos sentidos grosseiros.

Todos somos conclamados a participar neste processo e devemos igualmente cooperar, de forma a contribuir com o meio e com as pessoas ao nosso redor. Existem tarefas esperando por servidores em qualquer esfera de ação.

Ouvir, com atenção e interesse autêntico ao lamento daquele que sofre, oferecendo-lhe palavras de consolo é uma maneira de servir. Até mesmo aquele que sofre preso ao leito, acometido por grave enfermidade, pode encorajar milhões de almas com seu exemplo de renúncia e resignação aos desígnios do Pai.

O hábito de cultivar bons pensamentos é uma forma poderosa de servir e ser útil, na medida em que colaboramos para a manutenção de uma atmosfera fluídica equilibrada e salutar ao nosso redor.

Ajuda-nos ó Pai Celestial, para que consigamos nos despir das vestes do orgulho e do egoísmo a fim de que possamos servir com desprendimento e alegria, contribuindo para a nossa evolução, para a evolução daqueles que nos cercam, para a evolução planetária e universal consequentemente.

Prefácio do livro: E A Vida Continua, pelo espírito André Luiz, psicografado por Francisco Cândido Xavier.



Controle Sobre as Emoções



Dentro de cada um de nós existem duas mentes distintas que quase sempre atuam em harmonia. Chamamos de mente racional e emocional.

A mente emocional é impulsiva e intimamente ligada aos instintos primitivos do ser humano, instintos que muitas vezes são essenciais para a proteção do indivíduo diante de situações de perigo, é o gatilho que dispara os mecanismos fisiológicos como a liberação de adrenalina no sangue que faz você correr ou defender-se diante de uma situação extrema. Já a mente racional, está ligada à nossa capacidade de reflexão e análise. São dois modos distintos de responder às experiências ou estímulos que recebemos do meio em que vivemos.

Sabemos que a mente emocional é mais rápida que a racional, portanto, diante de qualquer acontecimento, inicialmente somos tocados por emoções como alegria, tristeza, raiva ou medo, após alguns instantes nossa mente racional passa a trabalhar analiticamente de forma ponderada e reflexiva oferendo-nos uma leitura mais adequada da situação. É a mente racional que reflete nossa real situação evolutiva.

Sabendo disto, é evidente a importância que o controle sobre nossas emoções pode exercer sobre nossas vidas e sobre o nosso relacionamento com as pessoas à nossa volta. Muitas vezes, nos deixamos conduzir pelas emoções frente às situações cotidianas, que não mereceriam maior atenção se avaliadas racionalmente, mas que no auge do acúmulo dos inúmeros transtornos comuns da vida moderna, acabam por transformarem-se em grandes problemas, como por exemplo o motorista do carro da frente que insiste em não nos deixar passar, o semáforo que demora a abrir, a internet que está lenta, seu computador que travou, entre tantas. Como resultado passamos a maior parte do dia convivendo com emoções negativas que além de trazer prejuízos ao convívio social, também podem acarretar problemas de saúde sérios como quadros depressivos por exemplo.

Ao aprender a lidar com nossas próprias emoções estamos também optando por viver uma vida mais leve, alegre e saudável.

O verdadeiro espírita deve continuamente procurar pelo equilíbrio emocional. Baseados numa fé racional, amparada no conhecimento e na compreensão das leis e dos mecanismos que regem o universo, somos convocados e devemos esforçar-nos a reagir com equilíbrio e racionalidade diante das inúmeras situações de conflito com as quais nos deparamos frequentemente.

Porém, se perdeste o controle, e num ímpeto de cólera, assemelhando-se mais ao animal primitivo do que ao homem civilizado que és, feriste quem tu amas ou causaste qualquer mal, ainda assim, não creia que este momento reflita na verdade quem tu és, pois quase sempre não és somente tu que ages neste momento. Eleva teu pensamento à Deus e pede ajuda e esclarecimento. Nosso mentor espiritual está sempre presente para inspirar-nos equilíbrio e paciência.

É claro que nenhuma mudança profunda ocorre do dia para a noite, um comportamento há muito tempo arraigado passa a fazer parte de nossa personalidade, desta forma, para mudar é necessário muita disciplina e disposição. Basta não desanimar, pois muitas vezes vamos falhar, mas somos aprendizes e podemos errar enquanto aprendemos, faz parte do processo.

Força sempre.

Wilson R. Garcia

Você sabe lidar com frustrações?





Um indivíduo quer comprar um automóvel, logo, vai a uma concessionária, escolhe o modelo e a cor desejadas, preenche uma proposta de financiamento e aguarda pela aprovação do crédito, porém, seu cadastro é rejeitado pela instituição financeira. Frustração!
 
Desejo X Realidade

Basicamente podemos entender a frustração como o mal-estar emocional decorrente da falta de preparo para lidar com decepções ou contrariedades, que quase sempre estão acima de nossa real capacidade de solução, pois, a realidade nem sempre pode ser moldada para atender às nossas expectativas.

Este mal-estar pode ser caracterizado por sentimentos de impotência, baixa auto-estima, mau humor, tristeza, pessimismo, isolamento social, entre outros. Em alguns indivíduos pequenas contrariedades são suficientes para desencadear explosões de irracionalidade e coléra, pondo em risco a integridade emocional e até física de seus semelhantes.

Algumas Causas
Crianças que têm todos os seus desejos e caprichos atendidos, tornam-se adultos facilmente frustráveis. Definir limites e cuidar para que eles sejam respeitados é fundamental para criar um adulto consciente de sua posição e capaz de lidar com situações inesperadas. Pais ausentes, que trabalham o dia todo e deixam os filhos com os avós ou com estranhos, acabam sentindo-se culpados e incapazes de negar quaisquer pedidos dos filhos.


“O orgulho vos leva a julgar-vos mais do que sois; a não suportardes uma comparação que vos possa rebaixar...

...Até mesmo as impaciências, que se originam de contrariedades muitas vezes pueris, decorrem da importância que cada um liga à sua personalidade, diante da qual julgais que todos devem curvar-se”

É possível perceber que frustrações nos acometem quando nos sentimos injustiçados, e isto está relacionado ao orgulho. Há pais de família que se revoltam pela falta da cerveja diária, argumentando que trabalharam o dia todo, e portanto, conquistaram este direto. São pessoas predominantemente egoístas que acreditam que o mundo deve atendê-los a tempo e hora.

Disciplina

A frustração é um sentimento autêntico. Ninguém gosta de ser contrariado. O importante é saber lidar com este sentimento, pois nem sempre é possível evitá-lo. Pessoas que tendem a evitar contrariedades a qualquer custo, são geralmente as mais indisciplinadas. Por que esperar várias horas num congestionamento se eu posso seguir pelo acostamento e ganhar alguns minutos? Meu caro, se você optou pela viagem ao litoral em pleno feriadão prolongado, o congestionamento é consequência da tua escolha, assuma-o sem melindres.

Expectativas

Uma receita comum para evitar as decepções é não criar expectativas com relação às pessoas, mas sejamos sinceros, é possível viver sem criar expectativas, se estas criam vínculos importantes entre os homens? É fácil viver alienado e distante, sem esperar que lhe façam nada. E isto não é também outra manifestação de egoísmo, pois assim, nada também você precisaria fazer aos outros? Não basta, que aprendamos a lidar com as contrariedades e decepções que eventualmente possam ser originadas em nossas expectativas?

Antes desta encarnação, quando ainda estávamos no plano espiritual, possuíamos consciência de nossas necessidades evolutivas, desta forma, e com a ajuda de amigos benevolentes, traçamos as metas para a existência presente, com base nestas necessidades e em nossas capacidades. Será que nós mesmos não definimos uma existência mais simples e sem luxos? Por que, então, ficamos revoltados com os negócios ou com o emprego que não nos fornece as condições de viver uma vida mais sofisticada?

Frustrações são mecanismos para o exercício da paciência
Aceitemos nossa real condição de vida, sempre lutando para melhorá-la, porém criando expectativas reais sobre nós mesmos e sobre as pessoas ao nosso redor. Nunca nos esqueçamos que sempre há um tempo de plantar e outro para colher. Cabe a cada um de nós a tarefa de descomplicarmos nossas vidas. Pé na estrada e fé na Providência Divina.

Força Sempre!

[1]O Evangelho Segundo o Espiritismo, Capítulo IX, item 9

 Wilson R. Garcia

A difícil tarefa de conviver com o próximo



"Me ame quando eu menos mereço porque é nesta hora que eu mais preciso".

Amar nossos filhos, nossos amigos, nossos pais, ou aqueles que nos são caros e estimados, não é tarefa das mais difíceis, principalmente quando tudo está bem e quando estes correspondem às nossas expectativas. Até o criminoso mais impiedoso é capaz de fazê-lo sem grande dispêndio.

Até mesmo aos estranhos somos capazes de ajudar, e nem parece uma tarefa das mais difíceis. Colaborar com algumas moedas para o pedinte no semáforo, doar algumas roupas que não nos servem mais, ou um pouco do alimento que abunda em nossa dispensa, são atitudes meritórias quando motivadas por razões puramente humanitárias, e neste caso, denotam certo grau de nobreza, e alguma preocupação autêntica com o próximo, desde que este próximo permaneça distante.

Difícil realmente é estender o nosso amor para além dos limites assistencialistas da matéria, conviver em harmonia com aqueles que nos tiram do sério, aqueles que não correspondem às nossas expectativas, que nos menozprezam ou ainda pior, nos ignoram. Aqueles pelos quais nutrimos uma antipatia aparentemente inexplicável e que com os quais tampouco conseguimos frequentar os mesmos ambientes.

Expectativas em Demasia

A compreensão de que cada indivíduo age de acordo com sua situação evolutiva, nos oferece uma leitura bastante clara da situação: Cada um sempre faz o melhor que pode baseado em sua formação moral e intelectual. Baseado nas experiências que viveu, cada um cria o seu modelo de mundo, com o qual relaciona-se com as outras pessoas ao seu redor.

Algumas pessoas mentem pois também foram vítimas de mentiras e para elas, este é o padrão, outros atacam por medo ou por sentirem-se inferiores, há àqueles que traem porque também foram traídos, enfim para todo desvio de conduta, podemos encontrar uma razão lógica. É claro que isto não justifica o comportamento inadequado, nem os exime de corrigí-los, somente nos mostra as razões deste comportamento.

Não temos ideia das experiências e dos caminhos que cada um percorreu para chegar até aqui, como podemos exigir que alguém nos ofereça o que ainda não tem? Não devemos esperar do próximo, mais do que ele pode nos oferecer, não é caridoso e chega a ser cuel, esperar que alguém carregue um peso maior do que a capacidade de suas forças.

Orgulho Ferido

Mas somos orgulhosos em demasia. Acreditamos que merecemos um tapete vermelho num caminho decorado com flores, e quase sempre nos ofendemos com qualquer coisa menor que isto. Um comentário descuidado passa a ser uma ofensa lembrada por décadas.

Perdão e Ofensa

O perdão é super-valorizado, melhor do que perdoar é não sentir-se ofendido. Se não existe a ofensa, também não existe a necessidade de perdoar o ofensor.

Conhecimento é responsabilidade
O espírita mais que qualquer um deve compreender estas coisas e posicionar-se de forma inteligente e racional diante das situações de conflito.

Não devemos interpretar as reações das pessoas ao nosso redor como ofensas pessoais, por mais que pareçam ser. Na maior parte do tempo estas ofensas só revelam a fraqueza, o medo e a ignorância daquele que fere. Os fracos e os temerosos devem ser amparados e consolados e os ignorantes devem ser orientados, para que juntos possamos caminhar em direção ao progresso.

domingo, 25 de janeiro de 2015

Tolerância

Vive a tolerância na base de todo o progresso efetivo.


Vive a tolerância na base de todo o progresso efetivo.

As peças de qualquer máquina suportam-se umas às outras para que surja essa ou aquela produção de benefícios determinados.

Todas as bênçãos da Natureza constituem larga sequência de manifestações da abençoada virtude que inspira a verdadeira fraternidade.

Tolerância, porém, não é conceito de Superfície.

É reflexo vivo da compreensão que nasce, límpida, na fonte da alma, plasmando a esperança, a paciência e o perdão com esquecimento de todo o mal.

Pedir que os outros pensem com a nossa cabeça seria exigir que o mundo se adaptasse aos nossos caprichos, quando é nossa obrigação adaptar-nos, com dignidade, ao mundo, dentro da firme disposição de ajudá-lo.

A Providência Divina reflete, em toda parte, a tolerância sábia e ativa.
Deus não reclama da semente a produção imediata da espécie a que corresponde. Dá-lhe tempo para germinar, crescer, florir e frutificar. Não solicita do regato improvisada integração com o mar que o espera. Dá-lhe caminhos no solo, ofertando-lhe o tempo necessário à superação da marcha.

Assim também, de alma para alma, é imperioso não tenhamos qualquer atitude de violência.

A brutalidade do homem impulsivo e a irritação do enfermo deseducado, tanto quanto a garra no animal e o espinho na roseira, representam indícios naturais da condição evolutiva em que se encontram.

Opor ódio ao ódio é operar a destruição.

O autor de qualquer injúria invoca o mal para si mesmo. Em vista disso, o mal só é realmente mal para quem o pratica. Revidá-lo na base de inconseqüência em que se expressa é assimilar-lhe o veneno.

É imprescindível tratar a ignorância com o carinho medicamentoso que dispensamos ao tratamento de uma chaga, porqüanto golpear a ferida, sem caridade, será o mesmo que converter a moléstia curável num aleijão sem remédio.

A tolerância, por esse motivo, é, acima de tudo, completo esquecimento de todo o mal, com serviço incessante no bem.

Quem com os lábios repete palavras de perdão, de maneira constante, demonstra acalentar a volúpia da mágoa com que se acomoda perdendo tempo.

Perdoar é olvidar a sombra, buscando a luz.

Não é dobrar joelhos ou escalar galerias de superioridade mendaz, teatralizando os impulsos do coração, mas sim persistir no trabalho renovador, criando o bem e a harmonia, pelos quais aqueles que não nos entendam, de pronto, nos observem com diversa interpretação, compreendendo-nos o idioma inarticulado do exemplo.

Oferece-nos o Cristo o modelo da tolerância ideal, em regressando do túmulo ao encontro dos aprendizes desapontados. Longe de reportar-se à deserção de Pedro ou à fraqueza de Judas, para dizer com a boca que os desculpava, refere-se ao serviço da redenção, induzindo-os a recomeçar o apostolado do bem eterno.

Tolerar é refletir o entendimento fraterno, e o perdão será sempre profilaxia segura, garantindo, onde estiver, saúde e paz, renovação e segurança.


Emmanuel
(Pensamento e Vida)

sábado, 24 de janeiro de 2015

Família Material e Família Espiritual




1. INTRODUÇÃO

O objetivo deste estudo é fazermos uma conexão entre os laços consangüíneos e os laços espirituais, a fim de que tenhamos um juízo consciente e mais acurado dos problemas imanentes do relacionamento conjugal.

2. CONCEITO

Família conjunto de pessoas: pai, mãe e filhos.

Família consangüínea é uma reunião de almas em processo de evolução, reajuste, aperfeiçoamento ou santificação.

Família espiritual é uma constelação de inteligências, cujos membros estão na Terra e nos Céus.

Há, pois duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais e as famílias pelos laços corporais. Duráveis, as primeiras se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, já na existência atual. (Equipe da FEB, 1995)

3. GENEALOGIA DA FAMÍLIA

O clã totêmico é apontado pelos antropólogos e cientistas sociais como o primeiro dos núcleos familiares que se tem notícia. Baseado no fato religioso, o totem assume misticamente, e não por consangüinidade, a descendência familiar.

O clã primitivo, indiferenciado, passa a ser diferenciado na família patriarcal agnática greco-romana, em que a filiação pode ser puramente masculina.

A família patriarcal evolui para a família paternal ou germânica em que os cognatos adquiriram certos direitos. A mulher, por exemplo, obteve direitos de herança e a posse do seu dote.

A família conjugal, mais próxima do tipo germânico que do romano, caracteriza a família atual. Na família patriarcal a comunidade subsiste, concentrada na pessoa do pai; a família é um todo onde as partes não têm individualidade própria. Na família conjugal, cada membro tem individualidade e esfera de ações próprias. A mulher os filhos podem ter bens. Os direitos paternos são limitados, e a lei prevê casos de perda do poder paterno.

4. A CONSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA CORPORAL

4.1. O NAMORO


O começo de uma constituição familiar está no namoro, ou naqueles primeiros contatos entre os novos cônjuges. É quando cada um só vê qualidades no parceiro ou na parceira. Pode-se falar da fase de encantamento em que dois seres descobrem reciprocamente motivos de atração.

O Espírito Emmanuel diz: “inteligências que traçaram entre si a realização de empresas afetivas ainda no Mundo Espiritual, criaturas que já partilharam experiências no campo sexual em estâncias passadas, corações que se acumpliciaram em delinqüência passional, noutras eras, ou almas inesperadamente harmonizadas na complementação magnética, diariamente compartilham as emoções de semelhantes encontros, em todos os lugares da Terra”. (Xavier, 1978, p.18)

4.2. O CASAMENTO

Depois do namoro, vem o casamento, o qual pertence à lei natural e é um progresso na marcha da Humanidade. O casamento implica o regime de vivência pelo qual duas criaturas se confiam uma à outra, no campo da assistência mútua. Esta união deve basear-se na responsabilidade recíproca, principalmente no que tangue as relações sexuais, pois quando as obrigações mútuas não são respeitadas, geram-se problemas cármicos de considerável extensão, pois ninguém fere ninguém sem ferir a si mesmo.

O Espírito Emmanuel diz que nos Planos Superiores “O liame entre dois seres é espontâneo, composto em vínculos de afinidade inelutável. Na Terra do futuro, as ligações afetivas obedecerão a idêntico princípio e, por antecipação, milhares de criaturas já desfrutam no próprio estádio da encarnação dessas uniões ideais, em que se jungem psiquicamente uma à outra, sem necessidade da permuta sexual, mais profundamente considerada, a fim de se apoiarem mutuamente, na formação de obras preciosas, na esfera do espírito”. (Xavier, 1978, p. 34)

4.3. OS FILHOS

Uma vez contraído o casamento, a imagem do filho toma vulto, tanto na cabeça do pai quanto da mãe e, talvez, mais precisamente na cabeça da mãe, pois é nela que a gestação se processará. Nesse mister, é curioso verificar a agrura de uma mãe, que tem todas as condições físicas e financeiras para dar a luz a um filho, e não consegue engravidar.

“Os laços do sangue não criam forçosamente os liames entre os Espíritos. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porquanto o Espírito já existia antes da formação do corpo. Não é o pai quem cria o Espírito de seu filho; ele mais não faz do que lhe fornecer o invólucro corpóreo, cumprindo-lhe, no entanto, auxiliar no desenvolvimento intelectual e moral do filho, para fazê-lo progredir”. (Kardec, 1984, p. 191, item 8)

4.4. OS DESAJUSTES CONJUGAIS

Um casamento promissor, não raro, adoece repentinamente. Conflitos, problemas financeiros, moléstias, desníveis culturais e falhas na formação de caráter e de temperamento contribuem para esses conflitos. A mulher espera encontrar no esposo o retrato psicológico do pai; o homem, os cuidados da genitora. Acontece que os dois têm que se adaptar à nova situação. Acrescentem-se ainda os apelos enviados pela mídia.

5. A FAMÍLIA ESPIRITUAL

5.1. SIMPATIA E ANTIPATIA ENTRE OS CÔNJUGES


Para que uma família consangüínea viva bem, em termos espirituais, é preciso que haja simpatia entre os seus membros, conseqüência de relacionamentos anteriores, e que se traduzem por afeição durante a vida terrestre. Pode ocorrer também que esses espíritos sejam completamente estranhos uns aos outros, reflexo de existências anteriores, que se traduzem em antagonismo.

Assim, “Os verdadeiros laços de família não são, pois, os da consangüinidade, mas os de simpatia e da comunhão de pensamentos que unem os Espíritos antes, durante e após a encarnação. De onde se segue que dois seres nascidos de pais diferentes, podem ser mais irmãos pelo Espírito do que se o fossem pelo sangue; podem se atrair, se procurar, dar-se bem juntos, enquanto dois irmãos consangüíneos podem se repelir, como se vê todos os dias; problema moral que só o Espiritismo podia resolver pela pluralidade das existências”. (Kardec, 1984, p. 191)

5.2. A IMPORTÂNCIA DA REENCARNAÇÃO

A compreensão da vida familiar é muito auxiliada pelas cogitações acerca da reencarnação. Este princípio, elaborado pela doutrina espírita, remete-nos a uma vista de olhos sobre o passado. Meditando sobre ele vamos melhor entendendo porque estamos unidos a essa esposa (e não a outra), a esse filho (e não a outro)

Numa crise familiar, o Espírito Emmanuel alerta-nos para a convocação de médicos, psicólogos, amigos e conselheiros; entretanto, ao desenrolar de obstáculos e provas, ele diz: “O conhecimento da reencarnação exerce encargo de importância por trazer aos interessados novo campo de observações e reflexões, impelindo-os à tolerância, sem a qual a rearmonização acena sempre mais longe. Homem e mulher, usando a chave de semelhante entendimento, passam mecanicamente a reconhecer que é preciso desvincular e renovar sentimentos, mas em bases de compreensão e serenidade, amor e paz”. (Xavier, 1978, p. 54)

5.3. AMPLITUDE DA QUESTÃO

Refletindo sobre nossas provas e expiações, vamo-nos compenetrando da grandiosidade de Deus e do Universo. Como nada acontece por acaso, lucraríamos muito se fôssemos resignados em cada situação de desconforto. Em toda a ocasião há a possibilidade de transformar o desafeto em afeto, a ingratidão em gratidão, o desamor em amor e a incompreensão em compreensão.

6. ORIENTAÇÕES DOUTRINÁRIAS ESPÍRITAS

6.1. ACERCA DO DIVÓRCIO


O divórcio é uma lei humana que tem por objeto separar legalmente o que já, de fato, está separado. Não é contrário à lei de Deus, uma vez que o enlace não foi concretizado tendo em mente esta lei. Por isso, Jesus dizia que não deve o homem separar o que Deus juntou, ou seja, o que foi unido segundo a lei natural, este permanecerá até o fim.

Os instrutores espirituais alertam-nos que não existem uniões conjugais por acaso. Nesse sentido, convém dificultar ao máximo a prática do divórcio. Nem tudo o que é permitido pela lei humana é igualmente justo. Deveríamos instituí-lo somente em último caso, quando houvesse a possibilidade de um cônjuge assassinar o outro.

Diz o Espírito Emmanuel: “Óbvio que não nos é lícito estimular o divórcio em tempo algum, competindo-nos tão-somente, nesse sentido, reconfortar e reanimar os irmãos em lide, nos casamentos de provação, a fim de que se sobreponham às próprias suscetibilidades e aflições, vencendo as duras etapas de regenaração ou expiação que rogaram antes do renascimento no Plano Físico, em auxílio a si mesmos; ainda assim, é justo reconhecer que a escravidão não vem de Deus e ninguém possui o direito de torturar ninguém, à face das leis eternas”. (Xavier, 1978, p. 39)

6.2. AS SUGESTÕES DA MÍDIA

É curioso ver como os Meios de Comunicação Social sugerem a separação e o consumo excessivo de bens material. Para ter audiência e obter lucro, os canais de televisão exploram o rompimento do casamento, fazendo-o parecer banal e sem valor.

É preciso retornar à educação grega da antiguidade, que prescrevia sempre um esforço contra a comodidade. É muito mais cômodo em qualquer rusga, em qualquer discussão, largar tudo e procurar outro caminho. Mas como explicar que certas pessoas já se divorciaram mais de 2 vezes? O problema não está no outro ou na outra, mas em nós mesmos.

Os pressupostos espíritas não nos isentam da vida em sociedade. Convém, contudo, a exemplo de Paulo, ler de tudo, mas ficar somente com aquilo que de fato auxiliam o fortalecimento do nosso eu imortal.

6.3. A MONOGAMIA

Na antiguidade prevalecia a poligamia – mais de uma mulher para um único homem e vice-versa. Na atualidade, vigora a monogamia, que é mais condizente com a lei natural, em que um homem deve unir-se a uma única mulher.

Pergunta 701 de O Livro dos Espíritos – Qual das duas, a poligamia ou a monogamia, é a mais conforme a lei natural?

Resposta – A poligamia é uma lei humana, cuja abolição marca um progresso social. O casamento, segundo as vistas de Deus, deve fundar-se na afeição dos seres que se unem. Na poligamia não há verdadeira afeição: não há mais do que sensualidade.

Se a poligamia estivesse de acordo com a lei natural devia ser universal, o que, entretanto, seria materialmente impossível em virtude da igualdade numérica dos sexos.

7. CONCLUSÃO

Rendamo-nos à vontade de Deus. Se, depois de sopesada as circunstâncias que nos envolvem, optarmos por contrair matrimônio com tal pessoa, saibamos nos resignar e auxiliar ao máximo no convívio familiar, porque recusando uma cruz, com certeza, encontraremos outra mais pesada.

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

EQUIPE DA FEB. O Espiritismo de A a Z. Rio de Janeiro: FEB, 1995.
KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed. São Paulo: IDE, 1984.
KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. 8. ed. São Paulo: Feesp, 1995.
XAVIER, F. C. Vida e Sexo, pelo Espírito Emmanuel. 4. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1978.

Dor e Sofrimento





1. INTRODUÇÃO

O que se entende por dor? E sofrimento? Há diferença entre dor e sofrimento? Como analisar a dor e o sofrimento sob o ponto de vista da Doutrina Espírita?

2. CONCEITO

Dor. Em sentido geral é a sensação desagradável e penosa, resultante de uma lesão, contusão, ferimento ou funcionamento anômalo de um órgão. Por extensão, o termo se aplica a sentimentos de tristeza, mágoa, aflição, pesar, que podem repercutir de maneira mais ou menos intensa sobre o organismo, causando mal-estar.

Sofrimento. É a dor física ou moral. Quando enfrentado pelo indivíduo com coragem e resignação torna-se fator de aperfeiçoamento espiritual, capaz de conduzir ao heroísmo e à santidade. (Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo)

3. HISTÓRICO

Os papiros do Egito e os documentos da Pérsia e da Grécia antiga descrevem não só a ocorrência da dor como também o desenvolvimento de medidas visando seu controle. Nos túmulos dos antepassados foram encontrados diversos apetrechos visando à cura da dor.

Na antiguidade, atribuía-se a dor aos maus espíritos. Dado o caráter religioso da dor, a Medicina era exercida por sacerdotes, que empregavam remédios naturais, sacrifício e prece para aliviar a dor.

Ao observar que os animais banhavam-se com barro para proteger-se das picadas dos insetos e os cachorros purgavam-se comendo plantas e raízes, o ser humano começou a usar os vegetais como os primeiros instrumentos analgésicos.

Os rituais, o uso de plantas medicinais, as manipulações físicas, a aplicação de calor, frio ou fricção do passado ainda continuam a ser utilizados. Hoje, porém, temos um maior acervo de pesquisas científicas, inclusive com a aplicação do lazer.

4. O PROBLEMA DA DOR

4.1. A DOR SEGUNDO A MEDICINA

De acordo com a medicina, a dor tem duas características importantes: a) fenômeno dual, em que de um lado está a percepção da sensação e, do outro, a resposta emocional do paciente a ela; b) dor sentida como aguda. Nesse caso, ela pode ser passageira ou crônica (persistente). O combate à dor física é feito com diagnósticos, exames, remédios e cirurgias auxiliadas pelas modernas técnicas computadorizadas.

4.2. NECESSIDADE DA DOR

A dor física anuncia que algo em nós não vai bem e precisa de melhora. Embora sempre queiramos fugir dela, ela nos oferece a oportunidade de reflexão — volta para o nosso interior —, objetivando o conhecimento de nós mesmos.

Dada a grande coerência da dor, tanto sofrem os grandes gênios e como as pessoas mais apagadas. Nesse sentido, observe o sofrimento anônimo daqueles que dão exemplo de santidade aos que lhe sentem os efeitos, mesmos ocultos e sigilosos.

A dor não é castigo: é contingência inerente à vida, cuja atuação visa a

4.3. REPENSANDO A DOR

A "dor é uma benção que Deus envia aos seus eleitos". É aguilhão, forja, fornalha, lapidaria, crisol e rútila. É agente de progresso, moeda luminosa, "lixívia que saneia e embranquece a alma enodoada pelos mais hediondos crimes". É "agente de fixação, expondo-nos a verdadeira fisionomia moral". É "valioso curso de aprimoramento para todos os aprendizes da escola humana". É "o instrumento invisível que Deus utiliza para converter-nos, a pouco e pouco, em falenas de luz". É "nossa companheira – lanterna acesa em escura noite – guiando-nos, de retorno, à Casa do Pai Celestial". (Equipe Feb, 1995)

5. O PROBLEMA DO SOFRIMENTO

5.1. SOFRIMENTO SEGUNDO A MEDICINA

A dor é fisiológica; o sofrimento, psicológico. O sofrimento é um conceito mais abrangente e complexo do que a dor. Em se tratando de uma doença, é o sentimento de angústia, vulnerabilidade, perda de controle e ameaça à integridade do eu. Pode existir dor sem sofrimento e sofrimento sem dor. O sofrimento, sendo mais vasto, é existencial. Ele inclui as dimensões psíquicas, psicológicas, sociais e espirituais do ser humano. A dor influi no sofrimento e o sofrimento influi na dor.

5.2. A POSIÇÃO RELIGIOSA

A simples reflexão sobre a dor e o sofrimento basta para evidenciar que eles têm uma razão de ser muito profunda. A dor é um alerta da natureza, que anuncia algum mal que está nos atingindo e que precisamos enfrentar. Se não fosse a dor sucumbiríamos a muitas doenças sem sequer nos dar conta do perigo. Osofrimento, mais profundo do que a simples dor sensível e que afeta toda a existência, também tem a sua razão de ser. É através dele que o homem se insere na vida mística e religiosa. Por mais real que seja a razão de um sofrimento, não basta apenas a coragem para enfrentá-lo; necessitamos também do estímulo místico, ou seja, da religião. (Idígoras, 1983)

5.3. REPENSANDO O SOFRIMENTO

"O sofrimento é inerente ao estado de imperfeição, mas atenua-se com o progresso e desaparece quando o Espírito vence a matéria". "O sofrimento é um meio poderoso de educação para as Almas, pois desenvolve a sensibilidade, que já é, por si mesma, um acréscimo de vida". "O sofrimento é o misterioso operário que trabalha nas profundezas de nossa alma, e trabalha por nossa elevação". "Em todo o universo o sofrimento é sobretudo um meio educativo e purificador". "O primeiro juiz enviado por Deus é o sofrimento, que procura despertar a consciência adormecida". "É apelo à ascensão. Sem ele seria difícil acordar a consciência para a realidade superior. Aguilhão benéfico, o sofrimento evita-nos a precipitação nos despenhadeiros do mal, auxilia-nos a prosseguir entre as margens do caminho, mantendo-nos a correção necessária ao êxito do plano redentor". (Equipe Feb, 1995)

6. DOR, SOFRIMENTO E ESPIRITISMO

6.1. AS AFLIÇÕES SOB A ÓTICA ESPÍRITA

A noção de castigo está relacionada com a ofensa a Deus. Dependendo do grau da ofensa, o castigo pode ser eterno. Ao ofender a Deus, o crente sofre e, com isso, a sua vida se torna um vale de lágrimas. O Espiritismo, ao contrário, ensina-nos que todos os nossos sofrimentos estão afeitos à lei de ação e reação. Allan Kardec, no cap. V de O Evangelho Segundo o Espiritismo, trata do problema das aflições, mostrando-nos a sua justiça. Fala-nos das causas atuais e anteriores das aflições, do suicídio, do bem e mal sofrer, da perda de pessoas amadas, dos tormentos voluntários etc. Estudando pormenorizadamente este capítulo vamos aprendendo que Deus, inteligência suprema e causa primária de todas as coisas, deixa sempre uma porta aberta ao arrependimento e o ressarcimento da falta cometida.

6.2. REMORSO, ARREPENDIMENTO E RESGATE

É da Lei Divina que o ser humano receba, em si mesmo, o que plantou, nesta ou em outras encarnações. A lei de causa e efeito nos mostra que tudo o que fizermos de errado nesta ou em outras vidas deve ser reparado. O primeiro passo é o remorso. O remorso é um estado de alma que nos faz remoer o que fizemos de errado, mostrando as nossas falhas e os nossos deslizes com relação à lei natural. O arrependimento, que vem em seguida, torna-nos mais humildes e mais obedientes a Deus. Depois de remoída e arrependida, a falta deve ser reparada, por isso o resgate. Remorso, arrependimento e resgate fecham o ciclo de uma determinada dor, de um determinado sofrimento. Embora possamos receber ajuda externa (por exemplo, de um mentor espiritual), a solução está dentro de nós mesmos, pois implica determinação na mudança de atitude e comportamento.

6.3. JUGO LEVE

Allan Kardec, no cap. VI de O Evangelho Segundo o Espiritismo, diz-nos que todos os sofrimentos, misérias, decepções, dores físicas, perda de entes queridos encontram sua consolação na fé no futuro, na confiança na justiça de Deus, que o Cristo veio ensinar aos homens. Naquele que não crê na vida futura as aflições se abatem com todo o seu peso, e nenhuma esperança vem suavizar-lhe a amargura. O jugo será leve desde que obedeçamos à lei. Mas, que lei? A lei áurea deixada por Jesus: "Fazer aos outros o que gostaríamos que nos fosse feito". Praticando-a, vamos atualizando as nossas potencialidades de justiça, amor e caridade, primeiramente com relação a Deus e, secundariamente, com relação a nós mesmos e ao nosso próximo.

7. CONCLUSÃO

O Espiritismo é o "Consolador" prometido por Jesus. Meditando sobre os seus princípios, vamos construindo um edifício sólido, alicerçado na fé raciocinada, ou seja, na fé que usa o sentimento, mas preponderantemente a razão.

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

ÁVILA, F. B. de S.J. Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo. Rio de Janeiro: M.E.C., 1967.
KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed. São Paulo: IDE, 1984.
IDÍGORAS, J. L. Vocabulário Teológico para a América Latina. São Paulo: Paulinas, 1983.
EQUIPE DA FEB. O Espiritismo de A a Z. Rio de Janeiro: FEB, 1995.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Amor e ciúme numa reflexão espírita




O ciúme voraz é o grande motivo de muitas dores morais. Em verdade, esse sentimento egoístico está presente em nossas vidas tanto quanto a dor, ou seja, quase todo ser humano sente. Toda vez que uma dor nos espicaça o ser é porque há algo errado conosco, e o mesmo acontece com o ciúme: alguma coisa está errada em nós mesmos, no outro ou na relação. A expressão "o pecado do Amor" é tão absurda quanto o ilogismo: "matar por Amor". Enquanto não formos capazes de discernir juízos opostos e continuarmos a confundi-los, não estaremos em condições de reformular nossa concepção do legítimo sentido do Amor.

Uma criatura que ama não agride e nem fere o ser amado, que é para ela objeto de veneração. O ciúme não procede do Amor, mas do apego animal ao plano sensorial. O animal é que ataca e fere por ciúme, nunca o homem, pois, nele, o Amor se manifesta em ternura, adoração e consciência do valor do ser amado. As criaturas de sensibilidade humana não se deixam arrastar pelas paixões, que pertencem ao plano dos instintos.

Luiz de Camões já dizia que o Amor é um fogo que arde sem se ver. Preocupados com o Amor humano, psicólogos e filósofos até hoje se interessam, quase que exclusivamente, por essa forma lírica e dramática do Amor entre duas criaturas. A Psicanálise, nos primórdios da teoria freudiana, colocou o problema do Amor na dimensão do patológico. Em verdade, Freud teve de entrar no estudo e na pesquisa do Amor pelo subsolo da psicopatologia. O aspecto patológico é o mais dramático do Amor e o que mais toca o interesse humano. "O Amor é a força mais abstrata e, também, a mais poderosa que o mundo possui,” dizia Mahtama Gandhi.

Na questão 938-a, de "O Livro dos Espíritos", aprendemos o seguinte: "A natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado. Um dos maiores gozos que lhe são concedidos na Terra é o de encontrar corações que com o seu simpatizem”. O Amor deve ser o objetivo excelso no roteiro humano para a conquista da paz na sua expressão apoteótica. Porém, diversas vezes, o nosso sentimento é meramente desejar, e tão-somente com o "desejar", desfiguramos, instintivamente, os mais promissores projetos de vida.

Nos dias de hoje, fala-se e escreve-se muito sobre sexo e pouco sobre Amor. Certamente, porque esse sentimento não se deixa decifrar, repelindo toda tentativa de definição. Por isso, a poesia, campo mítico por excelência, encontra, na metáfora, a tradução melhor da paixão, como se esta fosse o Amor. O desenvolvimento dos centros urbanos criou a "síndrome da multidão solitária". As pessoas estão lado a lado, mas suas relações são de contigüidade.

Ainda em O livro dos Espíritos encontramos na questão 911 o seguinte questionamento: “Não haverá paixões tão vivas e irresistíveis, que a vontade seja impotente para dominá-las? "Há muitas pessoas que dizem: Quero, mas a vontade só lhes está nos lábios. Querem, porém muito satisfeitas ficam que não seja como "querem". Quando o homem crê que não pode vencer as suas paixões, é que seu Espírito se compraz nelas, em conseqüência de sua inferioridade. Compreende a sua natureza espiritual aquele que as procura reprimir. Vencê-las é, para ele, uma vitória do Espírito sobre a matéria.”

Quando sofremos uma paixão qualquer, embora seu afloramento seja espontâneo, involuntário, dado o automatismo que opera em nós, podemos, por nossa vontade, não consentir em seus efeitos e reter muitos dos movimentos aos quais ela dispõe o corpo. Por exemplo, se a cólera faz levantar a mão para bater, a vontade pode comumente retê-la; se o medo incita as pernas a fugir, a vontade pode detê-las, e assim por diante.

Eis, portanto, uma constatação simples, porém altamente relevante para o controle das paixões: sustar os seus efeitos maléficos sobre as coisas e pessoas. Isso está em nosso poder, desde que tenhamos vontade firme e discernimento moral para reconhecer quais os efeitos bons e quais os ruins.

O legítimo Amor é o convite para sair de si mesmo. Se a pessoa for muito centrada em si mesma, não será capaz de ouvir o apelo do outro. Isso supõe a preocupação de que a outra pessoa cresça e se desenvolva como ela é, e não como queiramos que ela seja. O Amor representa a liberdade, e não o psicótico sentimento de posse (paixão exacerbada). É a lei de atração e de todas as harmonias conhecidas, sendo força inesgotável que se renova sem cessar e enriquece, ao mesmo tempo, quem dá e quem recebe.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Vaidade



Vaidade: O Livro dos Médiuns – n.226

A VAIDADE


Quero falar da vaidade, que se mescla a todas as ações humanas. Ela macula os mais suaves pensamentos; invade o coração e o cérebro. Planta maligna, abafa a bondade em seu nascedouro; todas as qualidades são aniquiladas por seu veneno.

Para lutar contra ela, é preciso exercitar a prece; somente ela nos dá força e humildade. Homens ingratos! Esqueceis de Deus incessantemente. Ele não é para vós senão o socorro implorado na aflição, e jamais o amigo convidado para o banquete da alegria.

Para iluminar o dia ele vos deu o sol, radiação gloriosa, e para clarear a noite, as estrelas, flores de ouro. Por toda parte, ao lado dos elementos necessários à Humanidade, pôs o luxo necessário à beleza de sua obra. Deus vos tratou como faria um anfitrião generoso que, para receber seus convidados, multiplica o luxo de sua mansão e a abundância do festim.

Que fazeis vós, que tendes apenas o coração para lhe oferecer? Longe de o honrar com as vossas virtudes e alegrias, longe de lhe oferecer as premissas de vossas esperanças, não o desejais e somente o convidais a penetrar-vos o coração quando o luto e as decepções amargas vos trabalharam e deixaram marcas. Ingratos! Que esperais para amar vosso Deus? A desgraça e o abandono.

Antes lhe oferecei o coração, livre de dores; oferecei-lhe, como homens em pé, e não como escravos ajoelhados, vosso amor purificado do medo, e na hora do perigo ele se lembrará de vós, que não o esquecestes na hora da felicidade.




Vaidade: O Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. 5, item 4.

CAUSAS ATUAIS DAS AFLIÇÕES


4. De duas espécies são as vicissitudes da vida, ou, se o preferirem, promanam de duas fontes bem diferentes, que importa distinguir. Umas têm sua causa na vida presente; outras, fora desta vida.

Remontando-se à origem dos males terrestres, reconhecer-se-á que muitos são conseqüência natural do caráter e do proceder dos que os suportam.

Quantos homens caem por sua própria culpa! Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição!

Quantos se arruínam por falta de ordem, de perseverança, pelo mau proceder, ou por não terem sabido limitar seus desejos!

Quantas uniões desgraçadas, porque resultaram de um cálculo de interesse ou de vaidade e nas quais o coração não tomou parte alguma!

Quantas dissensões e funestas disputas se teriam evitado com um pouco de moderação e menos suscetibilidade!

Quantas doenças e enfermidades decorrem da intemperança e dos excessos de todo gênero!

Quantos pais são infelizes com seus filhos, porque não lhes combateram desde o princípio as más tendências! Por fraqueza, ou indiferença, deixaram que neles se desenvolvessem os gérmens do orgulho, do egoísmo e da tola vaidade, que produzem a secura do coração; depois, mais tarde, quando colhem o que semearam, admiram-se e se afligem da falta de deferência com que são tratados e da ingratidão deles.

Interroguem friamente suas consciências todos os que são feridos no coração pelas vicissitudes e decepções da vida; remontem passo a passo à origem dos males que os torturam e verifiquem se, as mais das vezes, não poderão dizer: Se eu houvesse feito, ou deixado de fazer tal coisa, não estaria em semelhante condição.

A quem, então, há de o homem responsabilizar por todas essas aflições, senão a si mesmo? O homem, pois, em grande número de casos, é o causador de seus próprios infortúnios; mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples, menos humilhante para a sua vaidade acusar a sorte, a Providência, a má fortuna, a má estrela, ao passo que a má estrela é apenas a sua incúria.

Os males dessa natureza fornecem, indubitavelmente, um notável contingente ao cômputo das vicissitudes da vida. O homem as evitará quando trabalhar por se melhorar moralmente, tanto quanto intelectualmente.







quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Preparação ou Liberdade




PREPARAÇÃO OU LIBERDADE

Francisco Cândido Xavier conta os precedentes da mensagem “Criança e nós”, em carta que nos enviou:

“O público para as nossas tarefas espirituais da noite trazia diversas famílias que indagavam, sem o saberem, urnas das outras – já que vinham de procedências variadas – quanto aos problemas da infância. Muitas perguntas como estas eram formuladas: Devo largar meus pequenos à solta para não prejudicá-los? – Será justo permitir que meu filho de tenra idade se transforme em pequena máquina de estimação dentro de casa, com a idéia de que somente assim será feliz no futuro? – Como proteger as minhas crianças sem controlar-lhes os impulsos infelizes? – Devo deixar os meus pequeninos em liberdade irrestrita, fazendo o que lhes venha à cabeça, a pretexto de garantir-lhes a saúde? – Será natural deixar a criança crescer com a ilusão de que é plenamente livre, para depois encontrar, na posição de adulto, os constrangimentos da disciplina social, indispensável em qualquer parte, que lhe doerão ou pesarão muito mais pela ausência de treino ou preparação?
Iniciados os estudos, O Evangelho Segundo o Espiritismo nos ofereceu a página intitulada “Os órfãos”, no item 18 do capítulo XIII, dando oportunidade a esclarecedoras explicações de nossos comentaristas. Ao término das tarefas o nosso Emmanuel escreveu a página que passo às suas mãos, na expectativa de que seja útil às nossas reflexões.”

CRIANÇAS E NÓS
Emmanuel

Muitos setores das ciências psicológicas asseveram que é indispensável preservar a criança contra a mínima coação, a fim de que venha se desenvolver sem traumas que lhe prejudicariam o futuro. Isso, no entanto, não significa que deva crescer sem orientação.
Independência desregrada gera violência, tanto quanto violência gera independência desregrada.
Releguemos determinada obra arquitetônica ao descontrole e teremos para breve a caricatura do edifício que nos propúnhamos construir.
Abandonemos a sementeira a si própria e a colheita se nos fará desencanto.
Exigimos a instituição de um mundo melhor.
Solicitamos a concretização da felicidade comum.
Sonhamos com o levantamento da paz de todos.
Esperamos o reino da fraternidade.
Como atingir, porém, semelhantes conquistas sem a criança no esquema do trabalho a realizar?
Não mergulhará teus filhos nas ondas revoltas da ira quando a dificuldade sobrevenha, e sim não te omitirás no socorro preciso, sem deixá-lo à feição de barco desarvorado ao sabor do vento. Não erguerás contra ele a palavra condenatória nos dias de desacerto, a insuflar-lhe, talvez, ódio e rebeldia nos recessos da alma, e sim procurarás sustentá-lo com a frase compreensiva e afetuosa que desejarias ter recebido em outro tempo, nas horas da infância, quando te identificavas nas sombras da indecisão.
Sabes conduzir a criança ao concurso da escola, à assistência do pediatra, ao auxílio do costureiro ou ao refazimento espiritual nos espetáculos recreativos. Por isto mesmo não lhe sonegues apoio ao sentimento para que o sentimento se lhe faça correto.
Concordamos todos em que a criança necessita de amor para crescer patenteando mente clara e o corpo sadio, entretanto, é impossível efetuar o trabalho do amor - realmente amor - sem bases na educação.


EDUCAÇÃO MODERNA
Irmão Saulo

Uns condenam a educação moderna, saudosos dos tempos em que as crianças obedeciam aos pais pelo olhar e tremiam diante do mestre. Outros aprovam a nova educação sem a conhecer e fazem do seu princípio de liberdade uma forma de abandono. Não há liberdade irrestrita, pois a liberdade só pode existir dentro das condições necessárias. Um homem solto no espaço, livre até mesmo da gravitação, não pode fazer coisa alguma e perecerá na desolação. Para que ele tenha liberdade é preciso que esteja condicionado pelo meio físico, pisando a terra e aspirando o ar, condicionado pelo corpo e pelo meio familiar e social, e assim por diante.

A educação antiga era uma forma de domesticação. As crianças eram tratadas como animais. A educação moderna, a partir de Rousseau, é uma forma de compreensão. O seu princípio básico não é a liberdade, mas a compreensão da criança como um ser em desenvolvimento. O seu objetivo não é o abandono da criança a si mesma e sim o cultivo paciente da criança, para que possa crescer sadia no corpo e no espírito. Os maus juízos sobre a nova educação provêm do seu desconhecimento pelos pais e pelos mestres, muitos dos quais não possuem aptidão para educar.

Para os órfãos, o trecho citado de 0 Evangelho Segundo o Espiritismo prescreve-nos ajudá-los, livrá-los da fome e do frio, orientar suas almas para que não se percam no vicio. Esse o programa da nova educação. Seria um contra-senso convertermos os nossos filhos em órfãos, entregues a si mesmos, ao invés de vigiá-los, descobrir-lhes os maus pendores, corrigir-lhes as arestas morais e orientá-los para o futuro.

Os depositários de bens materiais cuidam deles para que não se deteriorem. O lavrador cuida das suas plantações para que produzam. Os pais, depositários de almas, têm responsabilidade muito maior e mais grave que a daqueles. Precisam cuidar de seus filhos e ajudá-los para que sejam úteis no futuro.

(Do livro “Na Era do Espírito”, psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires, Espíritos Diversos)
Relação de livros publicados por Chico Xavier e suas respectivas editoras:




sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

A Alma dos Animais





Os animais têm alma?
O que acontece com os animais no mundo espiritual?
Os animais reencarnam?

Muitos duvidam da existência da alma nos animais, achando que apenas o homem a possui. Outros, entretanto, afirmam que eles não só têm alma, como esta é igual à do homem. Entendendo-se como alma a parte imaterial do ser, o espírito, os animais a possuem sim e esse princípio independente da matéria sobrevive ao corpo físico.

Nesse propósito, temos em O Livro dos Espíritos a seguinte explicação: “É, porém, inferior à do homem. Há entre a alma dos animais e a do homem distância equivalente à que medeia entre a alma do homem e de Deus”. Na mesma obra, encontramos também um esclarecimento muito importante para o assunto em pauta: “Após a morte, conserva a alma dos animais a sua individualidade e a consciência de si mesma? Conserva a sua individualidade; quanto à consciência do seu eu, não. A vida inteligente lhe permanece latente”.

No livro Os Animais têm Alma?, Ernesto Bozzano, conhecido filósofo e metapsiquista italiano, apresenta 130 casos de materializações de animais, visão e identificação de espíritos de animais mortos, alucinações telepáticas percebidas ao mesmo tempo pelo animal e pelo homem, bem como várias aparições de animais sob forma simbólico-premonitória. Cada caso é devidamente documentado e os comentários, apresentados com suas respectivas conclusões, são de difícil contestação.

A psique animal

A respeito de sua obra, Bozzano afirma: “Ela consiste em um primeiro ensaio para demonstrar, por um método científico, a sobrevivência da psique animal. É preciso voltarmos ao nosso assunto e concluirmos salientando que a existência de faculdades supranormais na subconsciência animal, existência suficientemente comprovada pelos casos que expusemos, constitui uma boa prova em favor da psique animal. Para o homem, deve-se inferir que as faculdades em questão representam, em sua subconsciência, os sentidos espirituais pré-formados esperando se exercerem em um meio espiritual (como as faculdades dos sentidos estavam pré-formadas no embrião esperando se exercerem no meio terrestre). Se assim é, como as mesmas faculdades se encontram na subconsciência animal, deve-se inferir daí, logicamente, que os animais possuem, por sua vez, um espírito que sobrevive à morte do corpo”.

Em Nosso Lar, de André Luiz, encontramos um trecho que dá conta da existência de animais no plano astral: “Seis grandes carros formato diligência, precedidos de matilhas de cães alegres e barulhentos, eram tirados por animais que, mesmo de longe, me pareceram iguais aos muares terrestres. Mas a nota mais interessante era os grandes bandos de aves, de corpo volumoso, que voavam a curta distância, acima dos carros, produzindo ruídos singulares”.

O que estariam fazendo esses animais que acompanhavam a caravana dos samaritanos, constituída por espíritos abnegados que iam até o umbral buscar enfermos para serem tratados nas “câmaras de retificação”? Colaborando. Os cães facilitavam a penetração nas regiões obscuras e afastavam seres monstruosos, os muares puxavam cargas e forneciam calor onde necessário e as aves devoravam as formas mentais odientas e perversas.

O pai da médium Yvonne A. Pereira, por meio de mensagem psicografada por ela, enviou um importante contributo para o nosso assunto. Ao desencarnar, ele foi levado para uma cidade pequena, sossegada, apropriada para convalescentes. Ao despertar, após três dias de seu decesso, encontrava-se só em uma varanda orlada de trepadeiras floridas. “O único rumor partia do orquestrar longínquo de uns pássaros, verdadeira melodia que ressoava aos meus ouvidos com delicadeza e ternura”, disse.

Cuidar dos animais

No livro O Consolador, Emmanuel esclarece quanto à missão que os humanos têm com relação aos nossos irmãos menores, que são os animais: “Sem dúvida, também a zoologia merece o zelo da esfera invisível, mas é indispensável considerarmos a utilidade de uma advertência aos homens, convidando-os a examinar detidamente seus laços de parentesco com os animais dentro das linhas evolutivas, sendo justo que procurem colocar os seres inferiores da vida planetária sob seu cuidado amigo. Os reinos da natureza, aliás, são o campo de operação e trabalho dos homens, sendo razoável considerá-los mais sob a sua responsabilidade direta que propriamente dos espíritos, razão porque responderão perante as leis divinas pelo que fizerem em consciência com os patrimônios da natureza terrestre”.

Sábia advertência, felizes os que a escutarem. Nosso carinho e solidariedade devem se estender aos seres que, mesmo estando abaixo de nós na escala evolutiva, são capazes de nos servir e amar. Necessitamos deles como eles necessitam de nós. E nessa troca de trabalhos e afetividade, todos ganham.

Artigo publicado na edição 15 da Revista Cristã de Espiritismo.

O espírito de um drogado




Evocação do Espírito de um drogado.

- Poderíamos conversar com um Espírito que teve experiência com drogas?
Resposta: Cá estou, pois esta visita já estava na programação da casa para esta noite.

- Disseste que já estavas aqui ou vieste pela evocação?
Resposta: Já estava aqui, trazido pelos amigos espirituais responsáveis pelo trabalho.

- Poderias nos falar sobre tua experiência com as drogas?
Resposta: Perguntem e responderei dentro do possível e do que me for permitido.

- Vivestes muito tempo na Terra?
Resposta: Dezoito anos.

- Tão jovem e já tinhas envolvimento sério com a droga?
Resposta: Desde os quatorze anos.

- Moravas onde?
Resposta: Rio de Janeiro.

- Como foi teu envolvimento?
Resposta: Iniciei, na verdade, aos onze anos, com consumo de cigarros de maconha, no bairro onde morava, como brincadeira entre meus amigos.

- Onde conseguias a maconha?
Resposta: Nas mãos dos pequenos traficantes do bairro, nos vendedores de quinquilharias das calçadas. Era muito fácil.

- E seus pais? Sabiam dessa sua experiência?
Resposta: No início não sabiam. Quando tomaram conhecimento encararam como coisa normal dos tempos da adolescência moderna. Só mais tarde perceberam a gravidade da situação.

- Com quais tipos de drogas tiveste envolvimento?
Resposta: Com as piores. Aos quatorze anos entrei em contato com a cocaína e daí para para o crack foi um pulo.

- Foi o crack que o levou à morte?
Resposta: Não. Fui assassinado.

- Como foi?
Resposta: Em briga de rua, por ponto de venda da droga, pois tornei-me um traficante para sustentar meu vício.

- E a família?
Resposta: Depois de muitas tentativas de me retirar das ruas, deixaram-me jogado à própria sorte.

- Lamentas esta atitude deles?
Resposta: Não. Lamento minha cegueira. Eles nada podiam fazer por mim, além do que fizeram. Não tinhas os recursos necessários para dar-me o que necessitava.

- E do que necessitavas?
Resposta: Compreensão maior dos mecanismos da vida.

- Foi isso que o levou a procurar as drogas?
Resposta: No início não. Mas depois, em minha adolescência, quando já me envolvera com as drogas mais pesadas, fazia "viagens" incríveis pelo meu mundo íntimo e buscava uma paz interior que não encontrara em casa, nem nas ruas. Em minha falta de lucidez, achava que encontraria nas drogas e na condição mental que elas me favoreciam.

- Que condição?
Resposta: A total inconsciência dos meus atos, o mergulho em um mundo de ilusões e desespero, a entrega total aos devaneios insanos do desequilíbrio.

- Algumas vezes refletias sobre isso? Quiseste deixar as ruas?
Resposta: Muitas vezes, mas em nenhuma delas encontrei compreensão e condições favoráveis para livrar-me daquilo.

- Tiveste outras experiências?
Resposta: Em que sentido perguntam?

- Outras experiências que poderiam servir para o aprendizado de todos?
Resposta: Sim. Quando se entra no mundo das drogas perde-se a noção de limites. Tudo passa a ser permitido. Prostitui-me muitas vezes para conseguir dinheiro e isso talvez tenha sido muito pior que o próprio vício, pois injetar um veneno em suas veias não traz consequências morais tão graves quanto vender seu próprio corpo, por livre vontade, sabendo do ato imoral e insano que se está praticando. Claro, não estou dizendo que se drogar é melhor que se prostituir, mas que o vício às vezes é irresistível e foge às nossas frágeis forças de resistência física e espiritual, e que o outro ato, neste caso, é perfeitamente evitável se assim o quisermos.

- Como foi sua morte?
Resposta: Já falei que foi por motivo fútil. Um companheiro de infortúnio (que também já está deste lado), atirou em minha cabeça, em uma tola disputa de "ponto". Ele mesmo se arrependeu logo em seguida, pois um dia tínhamos sido amigos inseparáveis. Mas a droga nos faz enfrentar uma lei que é desconhecida dos homens das leis comuns. É selvagem e destruidora. Para os drogados não existem barreiras que possam contê-los no momento em que dela necessita.

- Tua desencarnação foi dolorosa?
Resposta: Nada senti. Continuei vivo e não compreendia como as pessoas não me viam. Convivi com os "amigos" por um tempo para depois tomar consciência de minha condição de "morto". E foi aí que sofri os horrores decorrentes da falta de responsabilidade com a vida.

- Foste amparado?
Resposta: Sim, depois de certo tempo, por familiares.

- E teus pais?
Resposta: Só tomaram conhecimento pelos jornais locais, que alardeiam a miséria e desgraça humanas.

- Que sentimento os animou?
Resposta: Depois eu soube que foi de grande alívio. E assim deveria ser mesmo, pois só trouxe a eles a desilusão e a dor.

- Tiveste uma infância agradável?
Resposta: Tive tudo o que quis. Meus menores desejos eram satisfeitos. Fui rico até a idade de 10 anos, quando houve um reviravolta na vida dos meus pais. Eles separaram-se e eu fui morar com meus avós. Depois aproximei-me mais de minha mãe, no início de meu martírio pelo mundo das drogas.

- E hoje? Visita-os?
Resposta: Não. Estou já bem recuperado, mas não tenho notícias deles. Acho que cuidam de suas vidas e rogo a Deus que cuidem bem, para que não sofram tanto, quando para cá vierem.

- Sofreste aí?
Resposta. Muito. Principalmente ao saber do desperdício que havia sido minha vida.

- Porquê? Tinhas outra programação de vida?
Resposta: Sim. Poderia permanecer até a sexta década de vida, com tarefa séria e edificante na área da saúde, oportunidade que me foi dada pelo Alto para redenção de meus débitos. Mas desperdicei no exercício do livre arbítrio, auxiliado pelas características familiares onde me encontrava. Sequer terminei o curso básico. A escola foi para mim um palco de minhas farras com outros colegas igualmente dementes.

- Então és um suicida?
Resposta: Sim, no sentido que se empresta a essa palavra, pois fui em parte o artífice de minha morte, mas não com a conotação e a gravidade de um suicida comum. Os drogados são vistos aqui de outra forma.

- De que forma? Vítimas?
Resposta: Sim, em parte, pois na verdade alguns são vítimas da degradação social pela qual passa a humanidade, sem deixar de considerar o livre arbítrio de cada um. A droga é a grande arma destruidora das esperanças dos jovens do mundo inteiro.

- Poderias explicar um pouco mais essa parte?
Resposta: Muitos lançam-se cedo no mundo dos vícios pela falta de base moral familiar, cujos pais não preparam. Cedo, entregam-se a atitudes inadequadas e não são devidamente orientados. A permissividade existente no mundo atual é mostra de que os pais não estão preparados para construir o homem do futuro. A droga, sendo uma das formas de escravizar o homem, na verdade é um resultado da ganância desenfreada do próprio homem que destrói seus próprios filhos e assim sucessivamente. Os grandes donos do esquema arrecadam montanhas de dinheiro que amanhã deixarão para seus filhos, netos e bisnetos, não percebendo que constroem o material e destroem o essencial. Essas próprias criaturas, para as quais constroem seus impérios, são vítimas e escravos de seu próprio veneno. Assim é na cidade onde vivi.

- Vives em colônia ou estás em hospital?
Resposta: Encontro-me em colônia próxima à Terra, de acordo com meu grau evolutivo.

- Existem colônias específicas para atender vítimas de vícios?
Resposta: Não tenho conhecimento disso, mas meu instrutor diz que aqui são atendidos todos os necessitados da alma, quaisquer que sejam os vícios. É uma colônia muito grande e onde se encontram muitos jovens. Naturalmente ainda estamos nessa condição pela nossa pouca compreensão. A forma física não importa, mas a maturidade de Espírito.

- Ainda podemos perguntar mais coisas?
Resposta: Necessito afastar-me por orientação do amigo que me dirige as ações e pensamentos neste trabalho. Deixo aqui minha gratidão pela oportunidade e que os bons Espíritos amparem todos os homens que um dia pensaram em envenenar-se por desconhecer as leis que regem a vida". - Um Espírito sofredor, agradecido.


Espírito: Um Espírito sofredor
Sociedade de Estudos Espíritas Allan Kardec
São Luís, MA



O que se pode levar ...




Só há uma certeza na vida – a morte e que nada de material levaremos daqui.
Todos morreremos um dia.
Tudo permanecerá aqui.
Ficarão bens, propriedades, riquezas, jóias, dinheiro…
Até mesmo um mísero alfinete será confiscado na rigorosa alfândega do Além.

E também posição social, prestígio, fama, poder…
É como se fôssemos seqüestrados, sem direito, sequer, a uma peça de roupa e conduzidos para remoto continente.
Condição penosa para aqueles que não se prepararam adequadamente.
Permanecem presos às situações que vivenciaram.
Angustiam-se com seu isolamento…
Irritam-se por não lhes darem atenção os familiares…

Ficam odientos e desatinados quando presenciam a divisão dos bens entre os herdeiros, situando-os por traidores e larápios.
Vezes inúmeras nos deparamos, nas manifestações mediúnicas, com entidades vivendo esse drama.
Lembro-me de um Espírito recém-desencarnado. Não se conformava com o andamento do inventário. Considerava-se espoliado pelos familiares.

Argumentávamos, procurando apaziguá-lo:
– Meu amigo, lembre-se de que você está no mundo espiritual. Outros devem ser seus interesses, seus desejos e atividades.
– Conversa mole! É tudo meu, fruto do meu suor, da minha dedicação! Recuso-me a ver meus patrimônios dilapidados, justamente por aqueles que deveriam preservá-los!
– Você jamais foi dono de nada. Era tudo propriedade de Deus. Apenas administrava.
– Balelas! Meus bens estão registrados em cartório! Nas escrituras não consta o nome de Deus!
Diálogo infrutífero.

A fixação de idéias em torno de nossas fraquezas, sedimentada pelo egoísmo, constitui um bloco monolítico que só o tempo aliado ao sofrimento podem quebrar.
É comum depararmos com Espíritos incapazes sequer de reconhecer a realidade espiritual, obcecados pelos interesses que marcaram sua passagem na carne.

Conversei, certa feita, com rico fazendeiro desencarnado, ainda envolvido com a imensa propriedade que centralizara suas atenções. Supunha que fora invadida por estranhos.
Não percebera que haviam decorrido trinta anos desde o seu falecimento, e que os filhos, após o inventário, tinham loteado a fazenda.

Meu caro leitor, mais cedo ou mais tarde, amanhã ou dentro de algumas décadas, morreremos, retornando ao mundo espiritual.
Manda a prudência e o bom senso que tenhamos sempre um pé atrás, isto é, que estejamos atentos, evitando surpresas desagradáveis.
Duas providências, nesse particular, devem merecer nosso empenho:


Administrar, sem apego, o que vai ficar, reduzindo ao máximo nossa dependência.


Investir, com empenho, no que podemos levar.

Você talvez estranhe essa última afirmativa.
Se não podemos levar nem um alfinete…
Não há contradição.
Levaremos, sim, as aquisições que, segundo Jesus as traças não roem nem os ladrões roubam, caracterizadas pelos valores culturais, intelectuais, morais, espirituais…

O conhecimento superior, a cultura bem orientada, as virtudes cristãs, o domínio sobre nós mesmos, a sabedoria, são patrimônios inalienáveis, que irão conosco para onde formos, constituindo-se num “mobiliário” abençoado que nos proporcionará conforto e bem-estar onde estivermos.

A propósito, há esclarecedor diálogo de um turista americano com famoso mestre egípcio que visitou na cidade do Cairo.
Ficou surpreso ao ver que o ancião morava em quarto singelo. As únicas mobílias eram uma mesa e um banco.
A partir dali houve breve e significativo diálogo:
O turista:
– Onde estão seus móveis?
O sábio:
– Onde estão os seus?
O turista:
– Estou de passagem.
O sábio:
– Eu também.

Livro: Abaixo a Depressão de Richard Simonetti


LinkWithin



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...