Não te esqueças de que a solução para o problema que te angustia, está a caminho.

Nos tribunais da Divina Justiça, nenhum processo fica parado.

A tua petição, depois de examinada, será deferida de acordo com os teus méritos.

Não te aflijas, antecipando-te às providências que haverão de ser tomadas em favor de tua paz.

Nem agraves a tua situação, tornando inócuas, quando te alcancem, as deliberações em andamento.

Saber esperar é tão importante quanto saber agir.

Toda decisão precipitada acaba sendo uma solução pela metade para o problema que se pretende resolver.

A solução que demora a surgir ainda não encontrou, disponíveis, os elementos que a favoreçam.


Irmão José/Carlos A. Baccelli
livro "Vigiai e Orai"











Dez Maneiras de Amar a Nós Mesmos

1. Disciplinar os próprios impulsos.

2. Trabalhar, cada dia, produzindo o melhor que pudermos.

3. Atender aos bons conselhos que traçamos para os outros.

4. Aceitar, sem revolta, a crítica e a reprovação.

5. Esquecer as faltas alheias sem desculpar as nossas.

6. Evitar as conversações inúteis.

7. Receber no sofrimento o processo de nossa educação.

8. Calar diante da ofensa, retribuindo o mal com o bem.

9. Ajudar a todos, sem exigir qualquer pagamento de gratidão.

10. Repetir as lições edificantes, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, perseverando no aperfeiçoamento de nós mesmos, sem desanimar e colocando-nos a serviço do Divino Mestre, hoje e sempre.







Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO,
mesmo sabendo que as rosas não falam...

Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro
que nos espera pode não ser tão alegre...

Que eu não perca a VONTADE DE VIVER, mesmo sabendo que a vida é,em muitos momentos, dolorosa...


Que eu não perca a vontade de TER GRANDES AMIGOS,
mesmo sabendo que, com as voltas do mundo,
eles acabam indo embora de nossas vidas...

Que eu não perca a vontade de AJUDAR AS PESSOAS,
Mesmo sabendo que muitas delas são incapazes
de ver, reconhecer e retribuir, esta ajuda...

Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo
que inúmeras forças querem que eu caia...

Que eu não perca A VONTADE DE AMAR, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo pode não sentir o mesmo sentimento por mim...

Que eu não perca a LUZ E O BRILHO NO OLHAR, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo escurecerão os meus olhos...

Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda

São dois adversários extremamente perigosos...

Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo

que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas...

Que eu não perca o sentimento de JUSTIÇA, mesmo
sabendo que o prejudicado possa ser eu...

Que eu não perca o meu FORTE ABRAÇO, mesmo sabendo
que um dia os meus braços estarão fracos...

Que eu não perca a BELEZA E A ALEGRIA DE VIVER, mesmo sabendo

que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...

Que eu não perca o AMOR POR MINHA FAMÍLIA, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia...


Que eu não perca a vontade de DOAR ESTE ENORME AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado...

Que eu não perca a vontade de SER GRANDE, mesmo
sabendo que o mundo é pequeno...

E acima de tudo...

Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente!

Que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois...

A VIDA É CONSTRUÍDA NOS SONHOS

E CONCRETIZADA NO AMOR!






Desencanto

Também, Senhor, um dia, de alma ansiosa,
Num sonho todo amor, carícia e graça,
Quis encontrar a imagem cor-de-rosa
Da ventura que canta, sonha e passa.

E perquiri a estrada erma e escabrosa,
Perenemente sob a rude ameaça
Da amargura sem termos, angustiosa,
Entre os frios do pranto e da desgraça,

Até que um dia a dor, violentamente,
Fez nascer no meu cérebro demente
Os anelos de morte, cinza e nada.

E no inferno simbólico do Dante,
Vim reencontrar a lagrima triunfante,
Palpitando em minh’alma estraçalhada.


Autor: Hermes Fontes
(psicografia de Chico Xavier )

Estudos Doutrinários

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Espiritismo e Política




A FEB editora lança livro oportuno para o momento que estamos vivendo. Trata-se da obra Espiritismo e política, de Aylton Paiva, cuja apresentação redigida pelo Prof. Ayrton de Toledo, está transcrita a seguir:

Apresentação

A obra Espiritismo e política: contribuições para a evolução do ser e da sociedade representa mais um esforço de Aylton Guido Coimbra Paiva para conscientizar o leitor quanto à real e crescente oportunidade de influência da Doutrina Espírita sobre a ordem social. O texto está em concordância com os princípios fundamentais de nossa Doutrina. Constitui uma efetiva contribuição para o estudo, a prática e a divulgação do Espiritismo. A originalidade da obra está amparada pela publicação, em 1982, do livro do mesmo autor intitulado Espiritismo e política, DICESP — Divulgação Cultural Espírita S/C Editora. A linguagem utilizada é bastante simples e clara, ao alcance da generalidade dos leitores que buscam as obras espíritas.

O autor procura demonstrar que, “sob o aspecto filosófico, o Espiritismo tem muito a ver com a Política, já que esta deve ser a arte de administrar a sociedade de forma justa”. Segundo ele, a proposição espírita da lei do progresso é um intenso e profundo desafio para que trabalhemos pela evolução intelectual e moral da humanidade. Com tal objetivo, o espírita deve estimular a sociedade humana a fim de que haja hábitos espiritualizados, desenvolvimento da inteligência e elaboração de leis justas, em benefício de todos.

Existe, pois, uma inequívoca contribuição política que o Espiritismo oferece à sociedade, a fim de que se estruture, se organize e trabalhe alicerçada na verdade, na justiça e no amor.

Não se trata de estimular o leitor a participar da política partidária, nem também de afirmar que o espírita deve ou não deve participar, como membro atuante, de uma organização política. Trata-se, simplesmente, de reconhecer o direito de que, como membro de uma sociedade, o espírita escolha, livremente, a sua contribuição para que as relações humanas sejam, progressivamente, melhoradas no sentido da paz, da justiça e do amor fraternal.

Permitimo-nos recordar que reconhecidos trabalhadores do movimento espírita desempenharam, com méritos, atividades políticas junto aos poderes públicos. Citaremos apenas três deles:

1. Cairbar Schutel – Conhecido como o “Bandeirante do Espiritismo”, fundador da Revista Internacional de Espiritismo – RIE (1925), do jornal O Clarim (1905) e da editora do mesmo nome. Na inauguração do seu Memorial ocorrida em 13 de novembro de 2013, foi feita referência aos documentos que mostram o trabalho político/social desenvolvido na cidade de Matão, da qual foi seu primeiro prefeito. Como um dos pioneiros do Movimento Espírita no Brasil, Cairbar Schutel afirma, em publicação da RIE, em 1929, que “Em política, em ciência e em religião, só há um norte a seguir, a verdade”.

2. José de Freitas Nobre – Advogado e jornalista nascido em fortaleza. Em São Paulo, foi vereador, vice-prefeito e eleito deputado federal, exemplificando, na política, honestidade e retidão de caráter. Publicou três livros espíritas e foi fundador e editor durante vinte e seis anos da Folha Espírita, jornal que circula até nossos dias.

3. Adolfo Bezerra de Menezes – Conhecido como o “Médico dos pobres” e como o “Kardec brasileiro”, foi Presidente da Federação Espírita Brasileira em 1889 e de 1895 a 1900. Conheceu o Espiritismo em 1872. Nessa época já havia iniciado sua trajetória política, que se estendeu até 1885. Cargos ocupados: Vereador, Presidente da Câmara Municipal da Corte e Deputado Geral, tendo sempre agido em favor da justiça e da honestidade. Citado por Freitas Nobre em 1981, Bezerra de Menezes teria afirmado: “Para nós, a política é a ciência de criar o bem de todos, e nesse princípio nos firmaremos”.

Apoiado na moral evangélica e sem comprometer-se com legendas ou organizações partidárias, o Movimento Espírita pode contribuir, no campo das ideias, para a solução dos problemas políticos e sociais que surgem, naturalmente, no processo da evolução planetária.

Seria oportuno, neste momento, recordar a afirmação de Kardec no capítulo XVIII, item 25, de A gênese, obra editada em 1868:

O Espiritismo não cria a renovação social; a madureza da humanidade é que fará dessa renovação uma necessidade. Pelo seu poder moralizador, por suas tendências progressistas, pela amplitude de suas vistas, pela generalidade das questões que abrange, o Espiritismo é mais apto do que qualquer outra doutrina, a secundar o movimento de regeneração, por isso, é ele contemporâneo desse movimento.

Aylton Paiva apoia-se, como dissemos no início desta apresentação, nos fundamentos da Doutrina Espírita, quando enfatiza que a participação do espírita no processo político, social, cultural e econômico deve ser consciente e responsável, tendo como diretriz os princípios e normas contidos em O livro dos espíritos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...